2010, como é? Vens por bem ou tenho de me pôr á tabela?


Estou em falta, Pipoca. Bem sei.
Não há post sobre o Natal. Não há post sobre o Novo Ano. Não há fotos.
Mas vai haver.
O final de 2009, e de certa forma o princípio deste 2010, trouxeram alguma agitação inesperada á minha (nossa) vida. O paizola foi operado ao joelhito. Eu tenho sobrado em casa para fazer tudo. As mãos não parecem suficientes e a cabeça então parece que, de vez em quando, vai dar ares de sua graça noutro corpinho (por certo mais novo e jeitoso que o meu!), tal a sensação de abandono com que fico. Na terça-feira, como se não bastasse, lá tive direito a nova visitinha ao hospital...
Espero que pela altura em que saibas ler estas palavras eu já possa ter descoberto o que me acontece, de tempos a tempos, que me faz agoniar de dores abdominais intensas (quase insuportáveis, diria) durante horas. Preciso de saber porque é que desde os meus 16 anos, volta e meia (com intervalos de anos!), acordo para experimentar estas dores inexplicáveis, que aparecem tão sem aviso e desaparecem sem deixar rasto, muitas dezenas de intermináveis minutos depois... sem que nenhum médico fique a saber mais do que: parametros de inflamação (leucocitose) no sangue, presença de líquido na zona abdominal (?) e uma palidez que, subitamente, parece transformar-me numa figura surreal do Madame Tussouds!!! Se não fosse que me contorço e gemo e choro e caminho frenéticamente pelos corredores em busca de alívio, julgo que haveriam de me imaginar mortinha da silva, a ocupar indevidamente um lugar nas Urgências!!!
...e a panóplia habitual de análises ao sangue, ao xixi, raio-x, ecos e.... NADA.
Desta vez, e porque a tia Guida mobilizou Deus ao serviço do hospital e provou mais uma vez como infelizmente se consegue alguma coisa da Saúde Pública em Portugal (que já aqui mereceu, querida filha, muitos comentários desagradáveis da minha parte!) vou continuar a ser seguida por algumas especialidades, a ver se alguma alminha caridosa, algum Dr. House á boa moda portuguesa, algum meio auxiliar de diagnóstico xpto descobre a razão de, sem mais quê nem porquê, de tempos a tempos, aqui a mãezola ser arrancada de forma violenta à sua vidinha de todos os dias e atirada para os corredores frios de um hospital.
... a última crise tinha acontecido umas semaninhas antes de ficar grávida de ti. Meses antes disso, uma outra crise, obrigou-me a ficar uma semana de molho no hospital. Contudo, não havia preocupação nenhuma a somar ao natural receio da doença e á dor extenuante, que teimosamente desaparece por si sem que analgésico algum lhe consiga dar a volta.
Terça-feira tinha mais um receptor de dor (ai gosto tanto de usar terminologia médica...): o coração. Pequenino, apertadinho, ansioso por temer ficar longe de ti por apenas mais do que umas horas... Felizmente, quase nem deste por conta de nada. Espero que nunca dês.

3 comentários:

Sophie disse...

As melhoras para ti!
e já agora para o maridao!

Bjoquinhas

Carla disse...

Que final e início de ano atribulado!!!

bjs

Paula disse...

2010 virá a bem, seguramente!
Quiçá com um mano para a Pipoca? Gostavas, Pipoca??
Bjs