A minha prenda de Natal...



A minha prenda de Natal veio, no ano passado, dia 9 de Agosto. Veio assim, como é hoje: uma menina encantadora, simpática, divertida, esperta, vivaça, combativa, meiga.
Esta foto, tirada aos 3 ou 4 dias de vida, ainda na maternidade, sempre foi das minhas preferidas. Nela eu já acalentava a esperança de um bébé bem-disposto e sorridente, divertido como eu! E, dobrado o Cabo das Tormentas do teu primeiro mesinho, eis que te tornáste mesmo assim: um Sonho lindo de morrer!
A melhor notícia é que, com o teu nascimento, estão asseguradas as prendas deste e de todos os futuros natais, meu anjo.
Para ti, desejo o melhor desta época. O Natal do ano passado foi uma grande lição para mim... quis fazê-lo lá em casa, com toda a pompa e circunstância, e dei-me conta já tarde, que te dispensei por isso pouca atenção na véspera de Natal... Nunca mais! O Natal é para aproveitar a companhia e dedicar a quem se ama toda a atenção. Este ano não tenho planos de prescindir de um segundo na tua companhia para dedicar a filhós e rabanadas, a bolos e a pormenores decorativos! Até as prendas foram compradas contigo a tiracolo e não me importa que já tenhas deitado o olhito a qualquer coisita que te vai calhar no sapatinho! De qualquer maneira não lhe dispensáste grandes atenções e o Pai Natal não parece ser o teu melhor amigo... hihihi! Por isso, este Natal é teu.
AMO-TE meu lindo e doce presente de Natal!
(Escrevo-te hoje, dia 22. Adivinho pouca disponibilidade para estas coisas amanhã e depois... por isso aqui fica o meu desejo de Feliz Natal para ti!)

Burra? A minha Miss Bochechas? Não senhor!



Desde sexta-feira que a nossa sala mais parece uma tenda de campanha... hihihi! O senhor anda lá a envernizar os tacos novos do chão do corredor e do nosso quarto. Por isso, andamos (eu e o paizola!) a dormir na sala. Confesso que não fosse o desconforto de dormir nos colchões do campismo, até que preferia. Eheheh! Pertinho da lareira e de frente para a televisão... maravilha! Nestes dias tão frios e chuvosos, então, sabe bem!
O fim-de-semana foi delicioso, como de costume. Sábado fomos fazer compras de Natal e já adiantámos algumas coisas, o que me deixou mais tranquila.
No domingo fomos almoçar com a avó Celeste e o avô Narciso á Ericeira e foi muuuito giro! Obrigada avós pelo almocinho tão gostoso e acolhedor! Pena o dia ter estado tão frio, chuvoso e ventoso! No final da tarde fomos visitar o primo Gabriel e os tios... já tinhamos saudades deles, verdade?
De resto andas muitíssmo divertida:
Quem é linda?
O teu dedinho aponta logo para ti própria, acompanhado de um sorriso maroto...
E feia, quem é feia?
Abanas a cabeça e ris ou franzes os sobrolho... ninguém é feio, pois não, Pipoca? Eheheh!
Ontem a tia Ana disparou:
E quem é esperta?
O orgulhoso dedinho novamente a apontar para ti própria...
E burra? Quem é burra?
Novamente abanas a cabecita de sobrolho franzido...
Pois... burra não pareces ser de facto...! Eheheh!!! Meu doce lindo e cada dia mais rechonchudinho (lagarto, lagarto! É melhor nem deitar muitos foguetes, não vá o diabo tecê-las...). Estou entusiasmada com as tuas renovadas bochechas e as pequenas preguinhas que voltaram ás tuas pernocas, ultimamente tão magrinhas... pelos vistos a dieta sem gluten está a começar a produzir algum efeito. Acho que a minha teimosia neste assunto está a começar a valer a pena: abençoada a hora que decidimos que queríamos as análises!
Saudades tuas, meu anjo. E aposto que hoje também já deves ter dito mamã algumas vezes... A avó Benilde diz que ultimamente chamas muito por mim... oh...
P.S.: acho que tens um bocadinho de medo do Pai NATAL... hihihi! Se eles se mexerem ou falarem então... ui!

Sweet Sixteen... Month!



Dezasseis mesinhos hoje...
Estes últimos 4 meses têm sido os melhores, acreditas?
Eu cá costumo dizer que não tenho perfil para ser mãe de bébés mas... tenho, modéstia á parte, muuuito jeitinho para crianças! Com isto quero mostrar que não sou, de feitio muito dada a embalar, embrulhar, alimentar e todos os respectivos ar's que se relacionam com bébés muito pequenos, assim de meses. Acho que por isso: passáste muito tempo sentada ao meu colo e pouco tempo no bercinho; sempre me ouviste a falar contigo como se pudesses entender tudo; sempre te passeáste de calcinhas de ganga e vestidinhos e t-shirts modernaças porque aqui a mãezola só gosta de babygrows mas para dormires quentinha e andares por casa confortável; dei vivas ao rei (salvo seja, hihihi!) quando começáste a papar de colherzinha porque, francamente, nem nos tempos de criança eu achava piada á brincadeira de dar biberons aos nenucos; sempre te deixei explorar o mundo sem receio de bichinhos e micróbios e superfícies não estéreis... Não sei ser mãe de bébécas e tu, também nunca foste bem um bébé... és muito senhorinha! Eheheh!
Saudades....? Já sinto, sim, mas destes últimos meses. Saudades dos primeiros passinhos atrapalhados. Saudades das primeiras palavras (será que é mesmo mamã, papá, avó, avô?) Saudades de ver a nossa sala de estar e cozinha devassadas pela tua curiosidade. Saudades de te ver dançar, de te ver em bicos dos pés, para cima e para baixo qual bailarina russa. Saudades de te ouvir dizer aauuu (Como faz o gato, Filipa?) ou repetir tá tá (já está!)... Saudades dos teus primeiros beijinhos repenicados nas bochechas e nos bonecos. Saudades do teu ohh! espantado quando alguma coisa te intriga ou desaparece ou cai ao chão (porque tu atiráste, marota!). Saudades de um pacote inteiro de tolhitas despejado no chão do quarto ás escondidas (como fizéste ontem!Hihihi!). Saudades de perceber que já entendes tanta coisa... Saudades...
De resto, sei que já esqueci as noites mal dormidas do 1º mês, as dúvidas com a amamentação, as intermináveis mudas de fralda e de roupa bolçada, os banhos atrapalhados dos primeiros meses, os longos passeios pela casa contigo no colo, os biberons da madrugada... não tenho jeito, confesso. Mas sei que fiz sempre o melhor que pude, desajeitado, talvez. E sempre com um sorriso nos lábios, também é verdade. Mas... vou guardar para sempre lembrança destes ultimos 4 mesinhos tãaao deliciosos....!
Bem, e só para mudar um bocadinho o registo quero que saibas que já consegui fazer um pãozinho mais decente para ti... pena e que não lhe tenhas ligado nenhuma! Bem sei que, comparado com um pãozinho de mafra estaladiço não é nada, mas... ainda não desisti de encontrar a receita mais aproximada! Vou tentando, Pipoca. E, de qualquer maneira, por muita pena que tenha de não poderes meter os dentes num bom pedaço de pão de trigo ando animada com a ideia que estás um bocadito mais gordita! Pelo menos estás de novo mais bochechuda... hihihi! Espero que sim: que esta dieta sem gluten esteja a produzir resultados. Mas agora só vamos tirar a prova dos nove na consulta de janeiro. A ver vamos, Pipoquita!

Que rico fim-de-semana!



Quando estiverem fartos do mesmo DVD de música, digam... eu vejo outro!

Bolos, Bolinhos e Bolotas... e a Consulta de Nutrição!


A consulta com o nutricionista foi útil q.b.. Hoje, ás 9h30 lá estávamos mais o paizola á espera de conhecer o famoso Dr. Luis Maioral. Muito alto, muito simpático, pouco ou nada habituado a bébés mas que julgo um bocadinho motivado pelo desafio da novidade... mas, enfim, atrapalhado com uma dieta tão específica. Todo o próprio esquema da consulta estava direccionado para adultos e que ainda por cima pretendem perder peso... acho até que ele ficou admirado quando te viu, porque adivinho que imaginou que serias um bébécas gordo (e eu uma mãe preocupada com dietas) mas... lá estavas tu, do alto dos teus 7kg e pouco, com ar maroto e espevitado na sala de espera da consulta! Hihihi!

Regressámos a casa com um plano alimentar mais calórico, indicação para introduzir frutos secos e apostar nas leguminosas e com a mãezola cheia de vontade de experimentar umas receitas de bolos de nozes e farinhas de alfarroba e fubá, e ameixas secas e coisas do género (com pouco açucar, ainda assim)... Vamos lá ver. Na terça-feira repeti o pão sem gluten mas não gostei do sabor dele, apesar do aspecto e da consistência terem resultado bem. Acho que deve ser a farinha que dá aquele sabor amargo... não sei. Vou experimentar receitas com farinha de milho, polvilho doce, fécula de batata, um mix de farinhas de outra marca (ouvi dizer que a melhor é a farinha Schär). Tenho de dar um saltinho ao Celeiro e ao El Corte Inglês... até porque já gastei o pacote de farinha que tinha comprado no Continente... snif!

Entretanto já fiz outra receita de pão normal e ficou óptima! Hoje, acho que vou experimentar fazer pão de chocolate... Se soubesses o que me entristece não poder fazer pãozinho bom para ti... até acho que o pão normal nem me tem sabido assim tão bem por não poder partilhá-lo contigo... O paizola, por seu lado, tem ficado muito satisfeito com o pãozinho lá de casa! Menos mal... não achas?
P.S.: Portáste-te muito mal na consulta... hihihi! Tagareláste o tempo todo, desarrumáste o consultório, assaltáste a mala do Dr. e, e entre canetas e papéis, até a escova de dentes do senhor andou a passear na tua mão, vejam lá! Já para não falar que hoje ás 5h da manhã, acordáste e estive 1h a correr para a tua cama de 10 em 10 minutos para te fazer dormir e... acabáste na nossa cama quando o despertador tocou para nos levantarmos! Estava tudo tão certinho com os teus sonos e agora anda tudo desregulado: ou levas muito tempo a adormecer e acordas frequentemente até por volta da meia-noite; ou adormeces logo mas acordas várias vezes durante a noite... ou, dormes tudo seguido mas acordas demasiado cedo! Ai, tão depressa não quero nem ouvir falar de tardes sem sestas, deitares depois das 21h30 ou extravagâncias do género... a avó Celeste e o avô Narciso que não fiquem tristes mas não vamos poder mesmo ir passar este fim-de-semana ás Sesmarias... snif...

Quando se faz Vinte e Dez!


O meu mais doce presente de aniversário!

O meu enchido de Pipoca lindo!


No dia do aniversário da mãezola!

Reflectir o Pai Natal...


«Não sei se devia ser eu a dizer-vos mas, na verdade, as crianças não acreditam no Pai Natal. E não imaginam que cento e muitos quilos de ternura, uns pares de renas, algumas toneladas de presentes e o trenó voem, assim, sem uma ventoinha estridente e colorida, ou uma qualquer coisa ruidosa (...). Já agora, as crianças também condescendem a propósito das chaminés. E percebem que, mesmo com os exaustores destes país de braços caídos, se tombassem por elas abaixo todos os presentes do Pai Natal, estes acordariam até os mais rebeldes dorminhocos.
(...)
Não sei se devia ser eu a dizer-vos mas, na verdade, as crianças só acreditam no Pai Natal porque, sempre que dão mimo a essa história batoteira, os pais ganham a luz misteriosa que só as pessoas que confiam nas suas mentiras parecem acarinhar. E é só porque ficam enternecidas aos roçarem o seu olhar no deles - quando de de língua de fora, fazem as suas melhores letras sempre que escrevem ao Pai Natal - que os desculpam, mesmo que alguém lhes tenha dito, uma e outras vezes, que é feio que se minta. Mas os pais ficam presentes , tão coloridos quando, um bocadinho atabalhoados, se atropelam nas suas histórias, que o coração de uma criança vacila, de ternura. (...) Se nos faltam as fotografias que podíamos ter ter deles quando nos fitam como se fossemos o seu presente, é porque tudo o que é magico (e nos faz sentir especiais) nos enche de enfeites.
(...) Obrigado Pai Natal! Obrigado por ajudares tantas pessoas - que parecem rezingonas, sorumbaticas, feias, hostis ou enfadonhas - a descobrirem, por um bocadinho, que podem brincar outra vez. (...) - Obrigado por deixares que mesmo sem nunca saírem do lugar, elas sejam levadas até a um mimo farfalhudo que as aninhe e aconchegue. Se, ainda assim, neste enorme faz-de-conta, existires (como acredito), gostava de te pedir que, como pirata dos bons, resgatasses os tesouros que os pais escondem todos os dias dentro de si, como se fossem tolices de criança»

Eduardo Sá, in Pais & Filhos

Olhó pão quentinho!





Bem bons estes quatro diazinhos em casa contigo e com o paizola... snif... mas tudo o que é bom acaba depressa...


E, pronto, a mãezola está de regresso ao trabalho e.. um aninho mais velhota! Fazer vinte e dez anos até não foi mau de todo... O almoço com a tia Guida, a avó Benilde e o avô Fernando correu muito bem e tu portáste-te como uma senhora. De resto, recebi poucas mas muito boas prendinhas. Uma delas está aqui na foto: a tia Guida e o avô Fernando ofereceram-me uma máquina de fazer pão (que vai ser muito útil para fazer pãozinho especial para ti!).
Bem... e quanto a fazer pãozinho a 1ª experiência não correu lá muito bem... ás 2h da manhã de segunda tirei da cuba um bocado de massa, com aspecto de gesso e sabor amargo... que desconsolo! Descobri depois que não podia aproveitar a receita de um pão normal e substituir somente a farinha... é preciso uma receita de pão sem gluten! Hihihi! Mas bem, agora já tenho muitas receitas, só faltam encontrar alguns ingredientes e tentar novamente. Pelo que percebi em incursões pela net, até começarmos a fazer pão realmente bom e bem feito é preciso fazer alguns assim menos jeitosos!




Uma foto do bocado de gesso... hihihi!

Que coisa mais mal amanhada...





A segunda tentativa (de pão normal) correu muitíssimo melhor e foi, a par com um galão quentinho (feito a partir de um café óptimo de uma máquina de café que os avós Celeste e Narciso me ofereceram!) o pequeno almoço dos paizolas ontem de manhã!
Mas não saiu perfeito. Agora vou experimentar outras receitas e talvez em breve haja pãozinho quente e delicioso para todos e a toda a hora lá em casa!
Mudando um bocadinho o assunto... Agora é que te embaralhámos de vez os horários de dormir Resultado: o dobro ou o triplo do tempo para adormeceres, com despertares dali a pouco tempo e hoje eram 6h30 da manhã e já não querias dormir. Além do mais, era costume quando acordavas voltar a adormecer sozinha, bastava aconchegar a roupa e procurar-te a chucha... agora não. Se acordas choras até voltares para o colo. Não estou nada satisfeita com este retrocesso que não é culpa tua, mas nossa: tudo começou com o fim-de-semana em Guimarães, prolongou-se com a tua constipação e os constantes despertares, piorou com este ultimo fim-de-semana - 5ª feira deitamos-te tarde, 6ª feira também não foi muito cedo, sábado foi tardíssimo e o domingo já não foi a tempo de compensar... Agora isto vai ter de entrar nos eixos outra vez. Espero.
O fim-de-semana esteve chuvoso e frio como se quer nesta época. Até me soube bem. É tão bom estar em casa, aconchegado, nestes dias... e é nestes dias também que sempre dou graças a deus pelo conforto de que posso usufruir e que lamento não possa ser para todos... mas enfim, a vida nem sempre é justa, Pipoca, hás-de perecbê-lo em breve, infelizmente...

Frio... muito frio!


Este friozinho que se faz sentir embala o espírito natalício de quem, como eu, já anda a sonhar com a época...


Quem trabalha em escolas não pode deixar de sentir o Natal!

Amanhã estou de folga!

Grande fim-de-semana que vou ter, na tua companhia!!!

Ainda por cima com aniversário á porta... ups... mais velhota, eu...

Não tenho tempo para fotos...!



É um verdadeiro achado arqueológico uma foto tua, recente, que não esteja tremida ou desenquadrada ... Ultimamente, quando disparo a foto, tu já estás na outra ponta da sala! Mas... tive saudades tuas e lá encontrei esta, no meio de muitas que mais parecem retratos de fantasminhas, para relembrar esse sorriso sem o qual já não sei viver!

Esta semana estás com o paizola e com a avó Celeste. Eu tenho muita inveja mas não faz mal. O fim-de-semana já esteve mais longe e ainda por cima avizinha-se mais comprido. Além do mais o paizola também merece a tua companhia!
Novidades? Ontem foste com o paizola tirar o Cartão do Cidadão. Parece que não foi muito fácil, tanto pela ligeira incompetência das funcionárias (inexperientes em CC's e mais ainda em CC's de bébés que têm impressões digitais ilegíveis e não sabem assinar!) como pela dificuldade em fazer a tua foto (oh, que novidade... que raio de ideia, a miúda é tão dada a fotografias...hihihi!) e que, ainda por cima, tem de ser toda xpto, sem dentes á vista nem coisas que o valham ... eheheh! Mas, pronto, já está despachado. Já tens identificação, Pipoca!
Bem... e agora uma foto para o nosso álbum, não? Vá lá, Pipoca, deixa a mãe tirar-te uma fotografia...

Kiss me!



Ontem deste o teu primeiro beijo repenicado!!!
E sabes quem foi a ilustre sortuda que recebeu este beijo?! Uma boneca da Mônica que a tia Mó tinha lá em casa dela!!!
Sim, ontem fomos almoçar a casa da avó Celeste e do avô Narciso e depois passámos por casa da tia Mó para uma visitinha. A casa da tia Mó é um paraíso para bébécas curiosos como tu... cheia de caixinhas e CDs e livros e coisas coloridas, mesmo á mão de semear...
Claro que em casa deste um igualzinho ao paizola e outro á mãezola!
Hoje... bem, deste-me um logo de manhã mas não te consegui arrancar mais nenhum... marota!
O paizola hoje esta´de ferias e tu ficáste com ele, depois de termos ido ás vacinas... bah... que inveja...!

Que chique... não achas?

Andei a matutar nisto, a matutar, a matutar... Ontem levei para casa uma brochura e andei a fazer umas pesquisas hoje de manhã. Resultado: marquei, á bocado, uma consulta de Nutrição Clinica com um especialista carola... para ti!

Ora topa os galardões:

Dr. Luís Maioral – Nutricionista Clínico; BSC em Nutrição e Ciências dos Alimentos ( Oxford Brookes University ). Mestrado em Nutrição Clínica ( Surrey University ).
Bem, a sério, Pipoca, este Dr. Luis Maioral é um especialista muito conceituado em nutrição e dá consultas em imensas clinicas. Também dá aqui na CREAR, na Miguel Bombarda, e só tive de me deslocar lá para fazer a pergunta da ordem:
«Olhe, eu queria marcar uma consulta de Nutrição com o Dr. Luis Maioral mas... é para um bébé de 15 meses! Pode ser...?»
A senhora, obviamente, foi apanhada de surpresa... eheheh! Prontamente ligou para o Dr. e ele respondeu-lhe que sim, sem problema nenhum (excepto talvez a balança para pesar bébécas, que ali não têm mas que ele próprio se encarregará de levar no dia!). Sendo assim , dia 4 de Dezembro lá estaremos, Pipoca!
Não vou á procura de doenças ou diagnósticos (ele nem sequer é formado em medicina) e isso, por si só, é reconfortante... Vou saber mais sobre os alimentos e o seu valor calórico, pedir ajuda para construir uma dieta adequada á tua idade, sem gluten e que possa ajudar ao aumento de peso, ouvir uma outra opinão sobre o teu peso e o teu desenvolvimento estaturo-ponderal... Acho que temos, ainda, uma visão muito conservadora sobre os problemas de saúde, afinal de contas se existem especialistas e especialidades, porque não procurá-las? O saber não ocupa lugar e, como disse hoje o teu paizola: opiniões nunca são demais!

Birras e Batatas!

Há bocado, no tal forum das mamãs que frequento, apercebi-me que existem muitos pais que passam a vida a ralhar com os seus bébécas, da tua idade, por causa dos disparates. Por coincidência, todas elas se queixam que os seus pirralhinhos fazem birras, daquelas de se atirarem para o chão e tal. Pois... isso deixou-me aqui a pensar...

Haveria, por certo, quem pensasse que eu te deixo fazer tudo, se visse a quantidade de coisas que desarrumas e o estado em que tantas vezes fica a sala de estar depois de por lá teres passado, qual furacão... Muitas pessoas diriam, se soubessem, que te estou a habituar mal, que assim não aprendes a respeitar o NÃO. Tento tirar do teu alcance todas as coisas com as quais te poderias magoar. Repreendo-te sempre que mexes naquilo que preferia que não mexesses. Mas cá a minha lógica diz-me que não devo esperar de ti obediência nesta fase e, por conseguinte, para quê dar demasiada importância ao assunto?
O que não podes mesmo mexer (por implicar que te possas magoar ou que o objecto em causa se danifique causando-me transtorno) não mexes. Ponto final. E como longe da vista é longe do coração, o que não podes mexer acaba por sair do teu alcance visual et voila: acabou o pretexto para a choradeira! Além do mais, quem disse que o bébé não pode brincar com caixas de cartão, com revistas e CDs, com comandos de televisão, com panos do pó, com molas da roupa, com frascos de creme vazios ou semi-vazios, com rolos de papel higiénico, com as almofadas do sofá da sala, com aquela moldura giríssima que está na estante da sala? Quem disse que são obrigados a brincar com os SEUS brinquedos?
Lá em casa os teus brinquedos sempre foram os que adoptáste como tal (sendo certo que os considerei inofensivos). Acho mal privar-te de explorar o que te rodeia, privar-te do que te cativa, do que te desperta a atenção e a curiosidade. Os melhores brinquedos são os que as crianças inventam, aqueles nos quais elas projectam a sua vontade de conhecer o mundo e de o apropriar, aqueles que eles reinventam á medida das suas necessidades. E cada criança é única, logo os seus brinquedos são únicos para si. Nem sempre se vendem nos hipermercados (ou estão, pelo menos, na prateleira dos brinquedos!). Percebi que os adultos querem as suas casas arrumadas e as suas decorações inalteradas. Querem uma árvore de Natal reluzente e um bébé que a admire, de longe. Não acho justo. Fica descansada. Quero lá saber se vais destruir a nossa árvore de Natal em menos de um fósforo...! A minha curiosidade é saber o quanto te vai cativar e sabes que mais? Tenho um desejo secreto de que te atires a ela como gato a bofe... acredito que seja a melhor e única forma de nos mostrares que a dita até tem a sua piada!
O que é certo é que não fazes birras. Pelo menos por enquanto. Duram 30 segundos, quando duram. Será que tem a ver com isto? Hum... se calhar tem. E também deve ser por isso que a batata escondida debaixo da almofada da cadeira da cozinha lá foi parar e não está arrumadinha no respectivo saco! Que piada teria uma batata no saco?

Só há uma pessoa que gosta mais da rotina do que o bébé: a mãe do bébé!

O Natal está á porta...
Ontem, á hora de almoço, fui com a Laurinda a uma loja de coisas de casa, a Tribo, e pegou-se-me o bichinho dos enfeites de Natal... Acho que, no proximo, fim-de-semana já vou fazer a Árvore e espalhar as decorações pela casa...
Estou curiosa em saber como vais reagir. Será que no dia 25 ainda vão resistir bolas na Árvore??? Ehehehe!!!
De resto, estás muito constipadinha, meu anjo. Mas, graças a deus, não há febre e continuas com apetite, embora mais rabugenta... Á noite tem sido mais complicado adormecer-te. Agora não sabemos se porque este fim-de-semana implicou alterações nas rotinas do sono, se pelo nariz um bocadinho entupido. Talvez pelas duas coisas.
Ás vezes até parece má vontade minha em recusar convites e programas que impliquem ficares acordada muito para além das oito e meia/nove da noite. Mas não é. A minha experiência diz-me que sempre que a hora de deitar é alterada (sobretudo se isso implicar estar fora de casa, com outras pessoas e confusão) andamos uns tempos nisto. As mães que, como eu, descobrem as maravilhas das rotinas (sim, porque é uma maravilha um bébé que dorme das 21h ás 8h da manhã todos os dias ou que come sempre sem birras, mesmo que seja sempre á custa destes hábitos enraízados... e que tanto trabalho deram a instituir!) têm um medo que se pelam de excentricidades e dias excepcionais... Os bébécas adoram fazer sempre as mesmas coisas: a repetição de brincadeiras, de rituais, de situações transmite-lhes segurança. A novidade é algo que eles é que gostam de ter a iniciativa de introduzir. Detestam que sejam os adultos a apresentá-las, isso deixa-os intranquilos. Por essa razão não se põem de pé e andam quando queremos, não aceitam ficar sozinhos se os abandonamos, não seguram o biberom sozinhos para beber o leite quando entendemos que já são capazes: um belo dia soltam as mãos e lá vão eles, abandonam os pais na sala e vão sozinhos para o quarto brincar, tiram-nos o biberon das mãos e recusam-se que o seguremos para lhe dar o leitinho. São exemplos. Dos muitos que eu poderia ficar aqui a enumerar. Por isso repetem a mesma traquinice até á exaustão, vêm o mesmo DVD até o leitor de DVDs já não o conseguir ler, pedem que cantemos sempre a mesma canção ou a mesma história ao deitar, brincam sempre com o mesmo brinquedo ou a mesma garrafa de plástico, desarrumam sempre as mesmas coisas...! O mundo assim é seguro, compreensível e eles sentem que o controlam. E, com isto, controlam as nossas vidas, é verdade. Há meses que não jantávamos fora (o casamento foi a única excepção); há muito tempo que não consigo ver o telejornal quando chego a casa (o DVD de música tem de estar sempre a passar), etc.
E, contudo, costumo dizer sempre: SÓ HÁ UMA PESSOA QUE GOSTA MAIS DAS ROTINAS QUE O BÉBÉ: A MÃE DO BÉBÉ! Concordas comigo, não é?
(E a propósito do Natal, meu anjo, o previsível dilema: como é possível estar com os avós e os tios todos na noite da consoada e deitar-te o mais cedo possível. Não estando, como fazemos no dia 25? Como nos dividimos?... bah!)

Visual renovado???

Temos novo logo do blog! Uma vez que já irei imprimir as páginas de Abril e seguintes depois desta mudança (e como é óbvio esta nova imagem já irá aparecer nos posts mais antigos), quero que saibas que os sapatinhos de bébé aqui estiveram até ao dia de hoje. Encontrei este moranguito delicioso e decidi que os teus já 15 mesitos merecem uma actualização do logo... Não tenho pudores em aceitar que és cada vez menos um bébé (pelo menos na minha ideia de bébé: pequeno, muito dependente, que só come e dorme e chora, hihihi!) e que me orgulho disso. Portanto, espero que gostes deste novo visual!

Queres brincar sozinha comigo?


A Carolina brincava com a Maria. Ás tantas a Carolina disse para a Maria:
Vou brincar sozinha. Queres vir brincar sozinha comigo?
A resposta pronta:
Sim!
Eu e a educadora Sandra olhámo-nos e rimos: Essa 'tá boa... "brincar sozinha comigo"... hihihi!
Em pouco tempo percebemos: cada uma delas tinha o seu jogo, de facto, mas brincavam lado a lado e conversavam... Curioso, os adultos são mesmo ignorantes, não achas Pipoca?

A fotografia de um filme...


De Guimarães regresso com a lembrança com que lá cheguei... as cores. Se o outono ainda é uma estação do ano, de facto, este já só deve existir por lá...! As arvores despem-se de folhas de todas as cores e parecem poesia. Tal como na descrição que aprendemos na escola: no Outono as folhas caem das árvores e cobrem as ruas com um manto de cores quentes - laranja, castanho, amarelo, vermelho.
Nos filmes é costume usar-se a palavra fotografia para referir a qualidade da imagem. Pois, se houvesse um prémio para a fotografia de uma cidade, Guimarães merecia-o com toda a certeza. Uma luz incrível reflecte-se nas árvores de mil tonalidades de outono e nenhum monumento histórico poderá superar em interesse e beleza este hino poético á natureza que, a cada dia que passa, se ouve mais longe e mais baixinho para quem vive nas grandes cidades...

Guimarães foi berço... Mas não o teu!

Guimarães pode muito bem ser o berço de Portugal mas... não é, de certeza, o berço da Pipoca!

A noite de sábado foi um bocadinho difícil, estás cheia de ranhoca e acordáste cheia de calor e muito entupida...!

Mas sim, a cerimónia religiosa correu muito bem, apesar de tudo. Havia um coro de vozes, viola e violino muito giro que te distraiu bastante e a coisa lá se passou. Pior mesmo foi o jantar... estavas cheia de sono e rabugenta. Muito cansadinha e moída da viagem e da confusão. Aguentámos até perto das 22h e depois regressámos ao Ibis.

Acho que se pudesses responder dirias concerteza: «O casório do amigo do paizola? Sim, gostei muito do quartinho do hotel!» Eheheh! Quem é que diz que te conseguíamos adormecer? Estavas divertidíssima e cheia de vontade de brincar, sua marota! E descobrimos que chamas nham, nham á paparoca! Era meia-noite e meia, já deitadinhos os 3, e nada... ás tantas, e depois de 5 minutos a repetir nham, nham, nham, nham nham, resolvi perguntar se querias comer. Resultado: prato de papa que marchou enquanto um fu fu (gato) esfrega um olho!

Fotos? Bem, isso é que foi mais difícil. Ainda esperamos ver as que o fotógrafo tirou lá, mas de resto, nossas... só umas pouquinhas no domingo, no castelo.

Cá ficam, só para não se dizer que não se cumpre promessas...















P.S.: o teu cabelo esteve todo o fim de semana sem ponta por onde se lhe pegasse... em contrapartida aqui o da mãezola esteve um must! Eheheh!

O teu primeiro "casório"...


Este fim-de-semana vamos ao casamento de um amigo do paizola... em Guimarães!
Boa oportunidade para fazermos muitas fotografias tuas e para te embonecar um bocadinho!
Espero ter fotos giras para colocar aqui para a semana... Oh, sexta-feira, finalmente!
P.S. : Mais um bébócas a caminho!!! A tia Paulinha está barrigudinha (pena estar para lá do sol posto, na Guarda... snif! Esperamos visita dela em Dezembro!) !!! Beijocas para ela!

Ui... a consulta!


Estás de dieta!


Como eu já esperava, da consulta de ontem não resultaram muitas novidades. O Dr. Velho é da mesma opinião que eu: antes de mais nada é necessário manter uma dieta isenta de glúten e reavaliar o peso daqui a mês e meio. De facto, a alteração no valor da Gliadina IgG, por si só não confirma uma diagnóstico de intolerância ou dooença celíaca muito embora indique uma perturbação relacionada com a ingestão desta proteína.
Depois desta reavaliação, que acontecerá a 5 de Janeiro, ele vai pedir novas análises ao sangue e ponderar a necessidade de fazermos mesmo a prova da Xilose.
Eu tento não me preocupar com isto, mas como é possivel descansar? Em 2 meses ganháste 30g...
Confesso que já nem o facto de a avó Celeste garantir que o paizola também era assim quando tinha a tua idade me tranquiliza... Mesmo assim tem de haver uma explicação, caramba. Se comes bem, mesmo não sendo gorda, terias de ganhar algum peso. Aliás, até aos 9 meses sempre foste ganhando peso, dentro do teu elegante percentil 5, mas ganhávas peso. Agora não engordas porquê? Desculpa-me se achares que estou a fazer uma tempestade num copo de água. Mas não sossego, não vou sossegar, nem quero sossegar. Não, enquanto as coisas não fizerem sentido na minha cabeça...
Até ao final da infância é suposto todas as crianças ganharem peso e não seria preciso comer este mundo e o outro, ou empanturrarem-se de gorduras e açucares ou sequer estarem quietas o dia todo a dormir, certo? Isso é suposto acontecer com uma alimentação normalíssima e até mesmo para aquelas crianças e bébés que são um castigo para comer, certo? Então, não pode ser "normal" que isso não aconteça contigo, certo? É do teu metabolismo? Muito bem. Mas um metabolismo assim tão acelerado não é patológico? Eu acho que sim. Já sei que não sou médica e que haverá quem pense que tenho a mania que sei tudo, etc., etc., etc. Não me interessa. Na vida sempre sofri as consequencias da minha persistência, teimosia, arrogância e não me incomoda nada. Ai... tomara que ganhes bastante peso neste próximo mês e meio!
Bem, vou terminar contando-te (porque estavas demasiado ocupada a desarrumar o consultório do Dr. Velho e talvez não tenhas ouvido... hihihi!) que a preocupação desvaneceu-se um pouco ao ouvir o Dr. Velho dizer que «o teu desenvolvimento psico-motor é excelente!». Fiquei muito orgulhosa, meu amor. E de facto, não é para te gabar e nem tão pouco acho que sejas caso único, mas a verdade é que também concordo que estás muito desenvolvida (conheces inúmeros objectos pelo nome, percebes quase tudo o que te dizemos e pedimos, tens manhas que revelam inteligência e perspicácia, és muito bem disposta e são muito raras as birras e as contrariedadades) bem como muito activa e empreendedora e curiosa.
Nem tudo são espinhos, meu doce de bolacha sem glúten!

And the award for the best portuguese song goes to...




restolho
Geme o restolho, triste e solitário
a embalar a noite escura e fria
e a perder-se no olhar da ventania
que canta ao tom do velho campanário

Geme o restolho, preso de saudade
esquecido, enlouquecido, dominado
escondido entre as sombras do montado
sem forças e sem cor e sem vontade

Geme o restolho, a transpirar de chuva
nos campos que a ceifeira mutilou
dormindo em velhos sonhos que sonhou
na alma a mágoa enorme, intensa, aguda

Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver
e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
prá receber daquilo que aumenta o coração

MAFALDA VEIGA

Ouvi há pouco esta música, na radio. Apeteceu-me partilhá-la contigo; cantá-la para ti.
O mais belo poema escrito em português. A melodia mais doce. A voz eterna.
Linda, não achas?

Gatinho miau:
Que comeste tu hoje?
Sopinhas de leite...
Não me deste nada?!
Tau, tau, tau!

No Verão de S. Martinho...


Recompensam-se as boas acções com um calorzinho ameno que, vá lá, lembra a Primavera... hum... dificilmente o Verão. Mas enfim, a tradição manda que se lhe chame assim. Martinho, de acordo com a lenda, foi um soldado francês que, ao regressar ao seu país (vindo de Itália), encontrou um pobre mendigo debaixo do típico vento gelado do Alpes e... de um golpe, abriu ao meio a sua capa vermelha, para partilhá-la com o senhor. De uma assentada o tempo frio deu lugar a um solinho quentinho e o vento abrandou. Durante 3 dias (tempo suficiente para o dito soldado atravessar os Alpes e chegar ao seu destino, Tours) a temperatura foi amena e o sol espreitou e há quem explique assim o bom tempo que a meterologia habitualmente nos prevê para estes dias!
Como é que daí se chega ás castanhas assadas e á agua pé (eu cá gosto mais de Jeropiga!) não me perguntes, querida Pipoca... acho que o tempo bonito, de sol e calor, inspira o convívio e á barriguinha cheia de castanhas!
Bem, novidades... Sábado fomos a Almeirim com o tio Bruno, a tia Simone e os primitos Maria e Tomás. Aliciados pela famosa Sopa da Pedra, lá nos pusemos a caminho e regressámos pelo fim da tarde. Acho que gostáste muito do passeio! No fim da tarde fomos despedir da tia Carla, do tio Gabes e do primo Diogo... A mãezola ficou tristonha. Eles vão estar dois mesitos nos Açores, a tia tem lá umas formações para dar.
De resto... ontem fui buscar as tuas análises ao SAMS. A boa notícia é que aquando da recolha já não havia infecção nenhuma. A urocultura deu resultado negativo para a presença de bactérias e já não há leucócitos nem nitritos na Urina II! A má notícia é que começáste a tomar antibiótico sem necessidade... bem, mais vale prevenir que remediar...
Amanhã é dia de consulta com o Dr. Velho... Bah! Andava para aqui inquieta, a contar os dias que faltavam. Nem te sei dizer muito bem porquê, nem o que espero da consulta, nem se acho que ela produzirá alguma diferença, nem em quê. Certo é, que quero muito poder pesar-te numa balança de confiança para começar a controlar o aumento de peso com esta dieta. Para mim é importante perceber se ela interfere com o peso e de que forma. E conversar... conversar com quem supostamente perceba do assunto...bem preciso.
Logo se vê, não achas?
Vai uma castanhinha? (agora ocorreu-me: será que podes comer castanhas?)

Ai, ai, ai! A mãe ralha... marota!


O que é que andas a fazer na sala com o rolo de papel higiénico na mão??? Perguntas bem...
Andas tão traquinas, minha marota!
Na quarta-feira comprei-te uns chinelos de quarto (mesmo giros, parecem os dos adultos, mas com um elastico no calcanhar para prender). Ontem, quando chegámos a casa da avó Benilde para te ir buscar, ela contou-nos que tu, deitáste um dos chinelitos pela sanita abaixo! Eheheh! A avó saiu da casa de banho por 30 segundos para ir buscar qualquer coisa que precisou e tu, entráste atrás dela, direitinha á sanita, com o chinelo na mão e... pumba! Lá foi ele para dentro da dita!
Mais chinelos:
Agora, todos os dias calças os chinelos ao paizola. Ele chega a casa, começa a mudar de roupa, descalça os sapatos e lá vais tu com os chinelos dele na mão ,toda muito concentrada na tarefa, calçar-lhe os ditos nos pés! Achamos um piadão... o paizola diz que já só falta aprenderes a levar-lhe o jornal ao sofá! Eheheh!
Palavreado:
-Filipa, como fáz o cão?
-ão, ão
- E o gato?
- fu, fu (da música dos 3 gatinhos, que tu adoras!)
- E a galinha?
-Có, có
- E o pato?
- Cá, cá
e mais...
avó: abá
avô: abô
tia: tiáá
pai: pa
mãe: mamãmãmã (entusiásmas-te sempre mais, verdade? Eheheh!)
a mais engraçada...
A avó Benilde diz-te muitas vezes: Olha que a avó ralha!, quando fazes disparates. Resultado: andas pela casa a repetir ralha, ralha, ralha, ralha, ralha... Só rir!
Este domingo fazes 15 meses. 15 MESES DE PURA TERNURA, meu doce de bolacha sem glúten!


Á bocado olhei para o contador e reparei que já lá vão 6.067 visitas a este blog... não faço ideia como é possível este número mas verdade é que fico contente: imagino que existem pessoas que tropeçam neste cantinho em pesquisas no Google e que, pelo menos uma vez, espreitaram as palavras que te dedico. Sei que tenho alguns leitores mais ou menos assíduos (pelo menos nos comentários!) aos quais agradeço, deixando os seus nomes num espaço próprio que criei aqui no blog.
Acabei por me afeiçoar muito a este espaço.
Venho aqui matar saudades tuas e exorcisar os meus problemas. Venho aqui reflectir, desanuviar, brincar, partilhar. Espero mesmo conseguir imprimir tudo (fiquei no mês de Abril e nunca mais peguei na tarefa... bah!). Detestaria perder estas palavras... e isto de blogs e blogosferas, nets e realidades virtuais deixam-me muito desconfiada. Nada como as ditas impressas em papel!
Obrigada aos meus visitantes!
(P.S.: Se a Maria Toscano ler este post, deixo-lhe aqui o convite para deixar comentários á vontade! Beijinhos para ela!)

Wheat Free



Andei a pesquisar... a net é um mundo de possibilidades, de facto.
Encontrei muita coisa sobre dietas e receitas sem glúten. Descobri lojas especializadas e sites para encomendar coisas.
Acho que ainda me vou tornar uma exímia cozinheira á conta desta história do glúten!
Ai, segunda-feira... saudades tuas, meu doce!

Happy Halloween!

Contagiada pelo espírito do Halloween, que agora é moda comemorar nas escolas, aproveito para te desejar (e aos visitantes deste blog) um Happy Halloween!!!

Aproveito para contar que hoje, no hospital, correu tudo muito bem. Conseguimos recolher xixi com o saquinho (coisa inédita!!!) e a eco não revelou nada de anormal!

Hoje á noite já começas o Trimetoprim e vamos aguardar pelos resultados, só para conhecer o bicharoco que te fez dói-dói!

Agora vou relaxar até á consulta com Dr. Velho... prometo que até lá não há mais posts chatos sobre a tua saúde!

Fim de semana á porta, meu deus, que bom... ! Estou a precisar de descansar e de te curtir muito!


A brincar... a brincar...



A Maria, de 3 anos, a Carolina, de 4 e a Alexandra de 5 anos brincavam com um jogo de peças de encaixe. A Alexandra queria usar uma peça que a Maria e a Carolina entendiam que estava estragada e não queriam incluí-la. A Alexandra ameaçou-as. Encaixou a peça. A Maria chorou de contrariedade e a Carolina arrancou a peça e atirou-a para o chão.
A Alexandra agarrou naquela peça e nas restantes que tinha na mão e veio sentar-se ao meu lado, sem dizer nada. Em menos de um fósforo, a Maria e a Carolina perceberam que não conseguiam terminar o jogo: a Alexandra tinha as peças que faltavam. Em pouco tempo a peça estragada estava junto a todas as outras e conseguiram acabar o jogo, porque a Alexandra aceitou voltar a brincar com elas.
Moral da história: o sentido de estratégia é um produto da maturidade. A verdadeira sabedoria reside em saber esperar, prever, antecipar. Como a Alexandra soube fazer, por ser mais velha que as outras meninas - evitou o conflito; voltou a brincar com elas; cumpriu o objectivo de encaixar a peça estragada. Viste? São estas as primeiras e mais valiosas noções da vida... aprendidas a brincar!

Bailando y... la Dor!


Chegámos a casa, ontem á tarde, e puz-me a dançar contigo ao colo, pela sala... Entusiasmei-me com o teu entusiasmo e bailavamos, bailavamos, bailavamos até que... Aiiiiiiiiiiii!!! Uma dor lancinante nas minhas costas e... cá estou eu toda empanada!!! Hehehehehehe!!!
Ficáste a olhar para mim muito séria por coisa de 30 segundos, enquanto eu sorria e gemia e ria ás gargalhadas da minha figurinha...! Parecia uma velha de 80 anos...
(Novidades, amor? Já está marcada a eco e a recolha de urina, no hospital do SAMS, na sexta-feira ás 9h da manhã... Hoje acho que acordei menos stressada - deve ser das dores que tenho nos costados! Hihihi!!!)

Coração de mãe não se engana... mesmo que passe um bocadinho ao lado!


É estranho. Pensar que, de um momento para o outro (aqueles minutos que levei a abrir o envelope e a espreitar os resultados das tuas análises), deixei de te pensar como um bébé saudável e ganhei um monte de dúvidas e preocupações e ansiedades.
Deve ser aqui que reside a diferença entre ter saúde e ser saudável... Tu tens, de facto, imensa saúde: energia que chega e sobra para não parar um segundo; alegria e boa disposição constantes; um desejo cada vez mais incontrolável de descobrir o mundo e explorar tudo á tua volta; eu ando aqui ás voltas com tosse e afins de uma daquelas constipações típicas da época e tu limitas-te a uma ranhocazita que só aparece para chatear á noite... Portanto, gozas de boa saúde. Contudo, neste momento, não és saudável: tens mesmo a tal infecção urinária e a médica confirmou que o valor da Gliadina Ac. IgG está alterado e merece a pena ser considerado para um diagnóstico de doença celíaca, pelo que depois será o Dr. Velho a decidir os passos seguintes. Não gosto muito deste termo - decidir. De facto quem decide somos nós os pais, é assim que quero que seja... Por mim, há muito que tinha voltado ás sopas ao jantar. Devia ter decidido isso na consulta dos 12 meses e não ter seguido as indicações do Dr. Velho. Confio nele tanto quanto confio nos médicos e na medicina, mas a mãe sou eu. Ontem fiquei a saber que os teus níveis de ferro também estão baixos, o que tanto pode ser reflexo de uma alimentação demasiado láctea como mais um indicador de doença celíaca. Uma coisa ou outra, as papas a substituir a sopa nunca me convenceram e os ínumeros posts que aqui te deixei são a prova disso. Se és intolerante ao trigo as papas só agravaram o problema; se não és, as tuas reservas de ferro ficaram comprometidas com esta dieta... Coração de mãe não se engana, mesmo que passe um bocadinho ao lado.
Disto resultou uma recomendação da médica para retirar o gluten da tua dieta (por precaução), uma perscrição de antibiótico e novas análises á urina, urocultura e uma eco para despiste de refluxo vesico-ureteral que possa estar na origem desta infecção urinária.
Da nossa parte, ontem já comeste sopinha ao jantar. Giro foi que acordáste as 3h00 da manhã com fome e... o leite tinha ficado em casa da avó Benilde (como sempre costuma ficar, porque com a papa já não querias o leitinho á noite). Resultado: eram 3h30 da madrugada e estavas tu, ao colo do paizola,a comer um pratinho de papa (sem gluten, hihihi!)!!!
Contente estou porque vais voltar a beber mais leitinho e mais descansada com esta decisão - papa: não!

Queria ser médica... se fosse, talvez o teu paizola não gozasse tanto comigo! Hihihi!


Devia ter perseguido o meu sonho de infância... ser médica.


Sábado fomos levantar as tuas análises. Para além de uns valores que fazem suspeitar de uma infecção urinária (óbviamente assintomática, porque não tens febre, nem choras ao fazer chichi...) existe um valor de Anticorpos Anti-Gliadina (proteína derivada do trigo) IgG que está ligeiramente acima dos valores de referência e tudo isto me está a deixar apreensiva...
Queria mesmo muito perceber alguma coisa disto das intolerâncias alimentares, de anticorpos IgA e IgG (o pouco que sei é que os IgA são específicos do intestino e os IgG são de todo o tipo...) e se 15,0 UA/ml para um valor de referência ínferior a 10,00 é indicativo de alguma coisa...
Pois, o que eu queria era ser médica...
O Dr. Velho está fora, num congresso em Macau. Só volta pela nossa consulta, dia 12. Entretanto, hoje vou tentar que a assistente dele veja as tuas análises.
Sinto-me um bocado confusa. Dividida entre um sentimento de medo de que tenhas, de facto, intolerância ao trigo (pela dificuldade acrescida na manutenção de uma dieta isenta de trigo, aveia e cevada) e de algum desejo secreto que se possa mesmo confirmar este diagnóstico (porque assim talvez pudesse descansar em relação ao teu peso e tu pudesses crescer mais e... olha, disparates de mãe!)...
Por outro lado, tanto quanto percebi daquilo que andei a pesquisar, uma infecção urinária não tratada pode ter como consequencia atrasos no desenvolvimento (desenvolvimento de quê? Peso? Altura?), já para não falar que pode trazer consequências a nível renal...
Bah... precisava de ter outra profissão...Detesto não perceber nada destas coisas e estar dependente de médicos e saber que tudo leva tanto tempo e é tão difícil quando falamos de cuidados de saúde neste país...
Este post foi mesmo só um desabafo que não interessa a ninguém a não ser a mim mesma...
(Grande neura: segunda-feira; saudades tuas; preocupação.)

Vaidosices com... Tofu!

Bem... estou apaixonada por esta mala, linda, linda...! Em breve vai ser minha (Ai! Assim espero: que isto de compras pela internet deixam-me sempre um pouco apreensiva... bah!)


Descobri-a por acaso num blog chamado Tofu Studio e encomendei uma igual! Uma senhora brasileira de origem japonesa, ao que parece, faz umas malas, umas carteiras, uns chapéus e uns porta-telemóveis com uns motivos nipónicos muito originais... fiquei FÃ!
Outra boa notícia (aqui para a mãezola, pois claro!) é que emagreci 3 kg! E o que me deixa mais contente é já ter muito menos barriguinha, porque de facto, os quilitos a mais só me incomodavam por causa dessa malvada que teima em ficar por cá, quando tu há 14 meses que já te instaláste confortavelmente na nossa simpática casinha e deixáste de precisar dela seja para o que fôr!
Li em qualquer lado, recentemente, que as mulheres sujeitas a cesariana podem levar até 18 meses a recuperar a silhueta... A ser verdade, faltam 4 meses e... mais 3 kg! Eu hei-de chegar lá, vais ver Pipoca!
Hoje já é quinta-feira... hum... menos mal!

Onde está a Pipoca?!




Queria estar de férias...



Este fim-de-semana foi delicioso... O paizola ficou ficou assim um bocadinho indignado (hihihi!) porque, sabado de manhã, acordámos cedo para ir buscar os resultados das tuas análises e, afinal, não estavam todas prontas...! Acho que lhe apeteceu deitar as mãos ao pescocito das senhoras lá da clínica... hihihi! Eu cá, descobri que gosto muito de tomar o pequeno almoço na rua aos sábados de manhã e, por isso, até nem fiquei nada aborrecida! Fomos á Seara ao pãozinho bom e, depois de levantar o raio x, fomos ás compras. Encontrámos a primeira melhor amiga da mãezola, a Dina, mais o filhote Gabriel e o marido... que saudades que eu tinha dela! Foi muito bom reencontrá-la!
De resto, brincámos tanto!
Experimentáste salsichas no sábado e adoráste e, domingo, almoçáste conosco puré de batata e perna de frango (a tua era cozida, as nossas fritas!). Foi mais o que caiu no chão do que o que efectivamente comeste mas... o que importa é que te vás habituando! Além do mais o pratinho da sopa já tinha marchado inteirinho! Uma novidade importante a registar é que já seguras a colher e levas a papa á boca (durante pouco tempo, é certo, porque começas a ser acometida por uma incontrolável vontade de agarrar a papa com as mãos e esfregá-la na roupa e atirar a colher para o chão e bater com ela na mesa e na cadeira e no cabelo...hihihi!).
Outra novidade que ainda não tinha registado aqui é que descobrimos que chamas nanha ou nanhinha á chucha!!! Bem, descobrimos numa brincadeira de te esconder a dita e fico a imaginar que outras palavras dirás que nós nem sequer supomos a que te referes...!
Bem, o domingo foi de ronha e de brincadeiras e de sestas familiares!
Á tarde recebemos a visita da tia Mó e fomos ao café do vizinho ter com a tia Rita que já não víamos há muito tempo e que te trouxe uma caixinha de Legos igual a esta, muito gira! Excusado será dizer que eu é que adorei, porque brinquedos... realmente não são contigo, malandreca!
Hoje... bah! Sem comentários...

Fiquei babada...



Obrigada
Tia Mó pelo
maravilhoso babete
e pela visita!


Sim, sou malandreca, e depois???



Numa casa muito estranha

Numa casa muito estranha
Toda feita de chocolate
Vivia uma bruxa castanha
Que adorava disparate

Punha os copos no fogão
As panelas na banheira
Os sapatos nas gavetas
E as meias na frigideira

Escrevia com fios de água
Dormia sempre de pé
Cozinhava numa cama
E comia no bidé

Varria a casa com garfos
Limpava o pó com farinha
Deitava cem gatos na sala
E dormia na cozinha

António Mota


Ainda ontem o paizola chegou a casa e o garrafão do azeite (quase vazio) estava na nossa sala de estar... Tenho a impressão que há uma bruxinha linda lá em casa... !

É tão bom fazer disparates, não achas?

Nunca dizes... adeus...



De entre tanta coisa que poderias fazer para me mostrares que ficas triste por me ir embora todas as manhãs para o trabalho, sempre optáste por coisas que... não fazes.
Até aprenderes a acenar, não olhavas para mim. Ficávas no colo da avó Benilde a fingir-te interessada noutras coisas. Paredes, por exemplo. Muitas vezes, no regresso, a recepção era idêntica: não querias contacto visual.
Depois aprendeste a dizer adeus e... eu nunca tive direito a um! Todas as manhãs é igual: o sorriso para a avó e, do alto do colo dela, á porta, ficas a olhar para nós, muito séria, com a chucha a esconder a expressão apreensiva que adivinho debaixo dela. «Diz adeus, bébé!, Adeus, até logo!» digo sempre na voz mais tranquila que consigo, e com um nó no estômago e um aperto no peito. Que dura pouco, é certo, mas é das emoções mais intensas que experimento diariamente, acredita. Diariamente. Desde que te deixei pela primeira vez com a avó Benilde para estar fora um dia inteiro.
Ultimamente tenho experimentado diariamente também uma outra emoção que compensa grande parte de tudo o resto: a tristeza por te deixar, os problemas do trabalho, o stress e o desconforto dos transportes públicos. Desde que começáste a andar que o meu regresso ao fim do dia é sempre festejado com uma correria desenfreada na minha direcção e umas gargalhadas malandras! O mesmo tratamento merece o paizola, um bocado mais tarde, ás vezes já em nossa casa!
E o que cresceste, meu amor...
Sabes o que acho? Acho que as mães (ou os pais, porque não?) deveriam ter direito a:
  • ficar em casa com os seus bébés até aos 6 meses com 100% de retribução;
  • retomar o trabalho, depois disso, mas apenas em período parcial (manhã ou tarde), sendo que as entidades empregadoras pagariam 50% e a segurança social outros 50%, até a criança completar 3 anos.

Não te parece bem?

Este post é dedicado à tia Ana e ao primo Gabriel. Ele faz hoje seis meses... amanhã a tia vai voltar a trabalhar. Custa. Muito. Mas tudo acaba por correr bem.

Prova da Xi... quê?


Acabámos por ter de desistir de uma das análises pedidas pelo Dr. Velho: a Prova da Xilose. Era uma missão impossível, impraticável com um bébé tão pequenino como tu...


6h da manhã (neste caso de sábado último): 250ml de água com a xilose

8h da manhã, tirar sangue

Até ás 11h e a partir da ingestão do preparado, recolher todo o xixi.


Claro que nem ultrapassámos a etapa da ingestão da água... se tu nem isso bebeste alguma vez de leite, quanto mais de água!!!

Agora vou levar os restantes resultados ao Dr. Velho e perguntar-lhe se é mesmo necessário fazer esta prova. Tanto quanto sei sobre o assunto, a Prova da Xilose serve para saber se o intestino está a absorver este açucar, ou pelo contrário, a expeli-lo sem o processar, o que pode ser uma explicação para a tua mais lenta progressão de peso. Porém esta má absorção intestinal é quase sempre sintoma de uma alergia ou intolerância alimentar, ou seja: o facto de o intestino ser alérgico a determinado alimento e a sua constante presença irrita as mucosas que ficam menos capazes de absorver nutrientes, nomedamente a d-xilose.
Mas, digo eu, é provável que, se as análises despistarem suspeitas de problemas, não seja preciso insistir nesta prova. A ser necessário, só será possível a nível hospitalar, com recurso a intubação (para fazer passar a água para o estômago) e algaliação para recolher a urina. Estou em crer que não vai ser necessário, meu amor.
Esta semana saberemos os resultados das análises e do raio x. Depois vou levá-las ao Dr. Velho.