O meu Apêndice



Aos 14 anos, no Hospital da Estefânia, tiraram-me o apêndice... e devolveram-mo no dia 9 de Agosto do ano passado, no Hospital Fernando da Fonseca... hihihi!
És oficialmente o meu apêndice! Lá em casa andas sempre atrás de mim... Ainda hoje de manhã acordáste estava eu no banho. Assim que saí vieste colar-te a mim e parecias a minha sombra: parada á minha frente enquanto me vestia, correste atrás de mim para a casa de banho e lá estiveste todo o tempo que demorei a lavar os dentes e a secar o cabelo, e só aceitáste que o paizola te vestisse o casaco para sair de casa quando percebeste que eu também estava a vestir o meu...
Ás vezes fico com pena do paizola, porque podias distribuir melhor as atenções mas... sei que por volta desta idade e até aos 3 anos a mãe é a figura mais cativante. A partir daí a atenção multiplica-se e distribui-se pelos dois progenitores e, muitas vezes, o pai passa a ser o alvo das preferências, especialmente pelas meninas (estou a aproveitar bem, juro!).
Bem, e depois junta-se o facto de a nossa leoazinha gostar muito de beijocas e a mãezola ser muito beijoqueira! Hihihi!!!
De resto o fim-de-semana foi bom. Sabado almoçámos com a avó Celeste e o avô Narciso e com a tia Ana, o tio Marco e o primo Gabriel que já não vias há algumas semanitas. Gosto tanto de vos ver juntos aos beijinhos e abracinhos... estou ansiosa para que o primo comece a andar para vocês poderem brincar mais! Já não deve tardar... meu deus, estamos a uns dias de ele fazer 1 ano!!! Já???
Ontem fiz uns pães de queijo e acho que até ficaram bons (talvez precisassem de um pouquinho mais de sal) mas tu comeste e pareceste gostar muito! Ainda bem. Já estás a recuperar da otite/amigdalite e já te noto mais gordinha outra vez. Com tanta hormona do crescimento, chocolate, bolachas, pão de queijo, leite, sopa, papas e iogurtes juro que não sei o que fazes ao que comes!!!
Ando, para já, menos angustiada com este assunto (mas só um bocadinho, porque, como podes ver acabei de voltar a falar disto). E cada vez mais mentalizada para o facto de, mais cedo ou mais tarde, ter de reintroduzir o gluten. Sinto-me sozinha nesta luta invisível, baralhada, revoltada. Só queria poder voltar atrás no tempo, ter feito a biopsia. Ter encerrado o assunto. E espero ser capaz de dizê-lo expressamente ao Dr. Velho. Ele nunca deveria ter aconselhado a dieta sem diagnóstico. Mas pronto, o mal está feito e... agora há que pensar como remediar e é nisso que temos de nos concentrar... Já estou por tudo. Só me apetece dizer: Levem lá o triciclo! Se não é este o problema, venham de lá os pães de mafra com fartura que a minha Pipoca vai adorar poder voltar a trincar uma iguaria dessas!
Não quero ter razão. Não quero que ninguém me dê razão, não quero que ninguém diga Sim Senhora, a menina é esperta descobriu o problema da sua filha, não quero nada. Só quero meter este assunto de lado e, para onde quer que me vire, a sensação com que fico é que não se fecham portas mas estão sempre a abrir-se janelas. Já imagino que vou sair das consultas (com o pediatra e com o gastrenterologista) com mais exames para fazer e incertezas: e isso não está correcto. Não pedi a ninguém para descobrir um problema de saúde em ti. Isso é mais que certo. Mas, se a cada consulta médica se levantam pontas e deixam-se essas pontas de fora á espera de mais pesagens, análises, avaliações, medições... isto assim vira um inferno para mim e não é justo. Vai chegar a um ponto que, por mais que eu propria tenha as minhas certezas, o mais certo é deixar-me vencer pelo cansaço. Não sou médica. Isso para muita gente exclui a obrigação de tomar determinadas decisões, por não me pertencerem. Porque não para mim?
Ai, se os médicos fossem mães...

Saber é... Poder!


Fui com a Tia Guida, ontem, buscar as tuas análises. Obviamente que as abri de imediato... já sabes que não tenho emenda. Já levava o trabalho de casa feito e sabia exactamente o que cada uma das coisas pedidas pelo Dr. Paulo podia servir para avaliar e determinar...
Está tudo mais ou menos dentro dos valores de referência, á excepção do IgE Total (anticorpos para as alergias) que está um nadinha acima e... a IGF1 e IGF BP3 (hormonas do crescimento) que está bastante acima!!!
Se ontem me deitei a pensar como é possível uma concentração elevada de hormona do crescimento permitir atraso nesse mesmo crescimento, hoje vim para a net pesquisar e... já descobri um artigo médico que relaciona um aumento nestas hormonas com a introdução de uma dieta sem glúten em doentes celíacos.
Mais uma vez redundamos no mesmo. Imprimi o documento e vou levá-lo á consulta com o Dr. Velho e até á consulta com o Dr. Paulo.
Bem, não há analises positivas para alergias de tipo nenhum, nem inalantes nem alimentares e isso já é positivo! Não há problemas de tiróide, renais ou diabetes... tal como eu suspeitava.
De resto, fim-de-semana á porta!!! Com sol e calor, espero!
Bem preciso de descansar...

Gosto muito de você Leãozinho...!


LEÃO (22 de julho a 22 de agosto)
Esta é uma criança que nasceu para ser mimada, para ser o centro das atenções. Uma verdadeira estrela. Na realidade, um sol, o seu astro regente.
Ela sempre será o mais isto, o mais aquilo, o mais aquilo outro etc. Esperará elogios por cada gracinha que fizer. Como naquela história da Branca de Neve: "Espelho, espelho meu, existe alguém mais belo do que eu?".
Mesmo que tenham irmãozinhos, essa criança se sentirá a favorita do papai ou da mamãe. E se portará como tal. Mas, como verdadeiros reizinhos, serão nobres, protetores e generosos com seus irmãos.
É uma criança naturalmente alegre, com personalidade marcante desde cedo e acostumada a dirigir as brincadeiras e a distribuir os personagens e as funções de cada um. O melhor papel caberá sempre para a eles. E todas as crianças aceitarão. Porque ela não disputa, comanda.
Adora as festas, os aniversários, as comemorações. Ninguém curtirá mais o dia do aniversário do que ela. As férias também são vividas com muita expectativa e diversão. O pequeno leonino, desde cedo, adora o prazer, o lazer e a diversão.
Os estudos, as tarefas e as obrigações são suportadas porque há uma promessa de recreio e diversão entre elas ou depois delas. Para esta criança, esforço, só com gratificação garantida.
O pai, para ela, é uma figura de herói. Ela o vê como alguém forte, empreendedor, confiante de si. Alguém que ela precisa admirar.
Não é muito indicado usar de autoridade sobre esta criança e tentar mandar nela. Esta não é uma boa tática. Se quisermos que um Leão, mesmo pequenino, nos respeite, devemos fazer com que ele nos admire. Além disso, é melhor adotar o encorajamento, os elogios, do que ordens. Eles farão qualquer coisa se enaltecermos as suas virtudes e qualidades. Assim, se sentirá honrado e fará o que deve.
Jamais chame sua atenção ou repreenda esta criança em público. Ela é orgulhosa e sentirá a sua honra manchada. Não o perdoará.
Tem um coração enorme. E nobre. Emprestará seus brinquedos para as crianças que não tiverem com o que brincar e as convidará para entrar no jogo, se não tiverem companhia. É uma criança generosa.
Se ela ficar doente, ficará melosa e melodramática e vai querer que a casa toda pare para cuidar dela. Os mimos e as atenções são o que vão curá-la.
O menino de Leão vai gostar de jogos viris, como os personagens heróicos, o cavaleiro de espada, armadura e cavalo, e as armas de guerra. Vai adorar máscaras e capas. Tudo muito grandioso. A menina vai gostar de brincar de princesa, fada e todos os personagens nobres. As bonecas também deverão parecer princesas ou estrelas de cinema. Adoram teatro, representar e fingir que são alguém importante. São vaidosos desde cedo e adoram boas roupas e bons sapatos. A menina, principalmente, não irá a lugar nenhum se não estiver se sentindo à altura.
O Leão, desde cedo, é caro e adora coisas caras e boas: lapiseiras, canetas, cadernos, mochilas. Tudo dele será do melhor. Esqueça, portanto, os presentes baratinhos e as lembrancinhas. Eles acharão michuruca.
Adora o sol, a praia e todos os ambientes que tenham luminosidade e uma atmosfera alegre. O menino de Leão vai preferir os esportes que ele desempenhe sozinho. Para ganhar sempre. A menina vai adorar o balé ou o teatro. Aliás, levar esta criança para assistir a peças de teatro é uma excelente diversão.
Esta é uma criança apaixonada, vibrante e entusiasmada. Ela não apenas gosta dos objetos, das coisas ou das pessoas. Ela adora.
Ela espera ser tratada com privilégios, não igual a todo mundo. Em compensação, quando ela gosta, ou melhor, quando ela adora alguém, enche essa pessoa de regalias. Para ela, quem se ama é especial e deve ser tratado como tal.
Espera que manifestem claramente que gostam dela, com beijos estalados, abraços, rodopios e inúmeras declarações verbais de amor. Esta é uma criança expressiva e, para ela, os sentimentos devem ser expressados. Teatral, dramática, adora fazer uma cena. No fundo, ela nem sente as coisas tanto assim. Mas não perderá a chance de uma cena, por nada.
Sublinhei as coisas que penso que já são tal e qual!
Já andava á algum tempo para falar de traços da tua personalidade e ainda bem que encontrei este link sobre os signos, acabou por ser um bom pretexto.
Ao que está escrito queria acrescentar algumas coisas que dá para notar:
  • és uma observadora exímia (lá em casa conheces o lugar de tudo e mais alguma coisa, sabes o que é teu, o que é do paizola e o que é meu, mesmo que só tenhas visto uma ou duas vezes!);
  • és preguiçosa (quando não tens grande interesse em conseguir fazer as coisas) mas persistente (se te interessar muito conseguir!) - geralmente se for para encaixar peças não tens paciência e desistes mas se for para abrir uma embalagem ou calçar umas meias até que insistes bastante!
  • tens um desinteresse óbvio pelas conversas dos outros (parecem sempre interessar-te pouco, nem mesmo as conversas dos desenhos animados, nem uma história contada...)
  • Percebe-se que não tentas dizer palavras que sabes que não consegues dizer logo (só quando sentes que estás preparada é que elas saem!);
  • És muito meiga mas também muito arisca. És de extremos!

Qué, qué!!!



O paizola leva a Pipoca no colo para o quarto na hora de dormir e pergunta Queres ouvir a música da florzinha? (é uma flor em pelúcia que pressionando a pétala toca uma música e que desde sempre tem substituído a História que não tens paciência para ouvir... hihihi!).
A Pipoca responde prontamente:
Nhão!
Não queres? (o paizola pergunta fingindo-se surpreendido, hihihi! E dá meia volta para fingir colocar-te no meu colo para dormir).
Qué, qué!!! (responde a Pipoca, logo depois, com um sorriso matreiro de menina marota e brincalhona, afinal sempre quer, quer...!) e repetimos a brincadeira vezes sem conta até que a florzinha finalmente está a tocar alheia ás malandrices da Pipoca!
Ultimamente o Nhão é a tua palavra preferida, está sempre na ponta da língua!
Novidades? Hum... as análises estão prontas dia 27 e só temos consulta com o Dr. Velho dia 14 ás 11h00 da manhã. Andas com menos apetite e a tosse ainda persiste. Mas, de resto, já voltáste á tua boa forma original: imparável!

O caractere chinês da Felicidade... no Dia do Pai!



Estás recuperada da amigdalite e da otite: tens um pouco de tosse mas já não estás murchita, voltáste a ter apetite e... depois de tantos dias a dormir na cama dos paizolas... voltáste á tua caminha sem problemas!!!
Depois de acordares ás 5h da manhã de segunda e teres chorado os trinta farrapos, gritado e estrabuchado e eu não ter arredado pé da minha ideia (não te tirar da cama nem sequer para te adormecer no colo!) acabáste por aceitar o teu malfadado destino e, no dia seguinte, ás 6h da manhã não insististe quase nada e readormeceste pacíficamente! E tem sido sempre assim desde então...
Assim é que é, és um espectáculo de menina!
Confesso que, com tantos dias no bem-bom da caminha dos paizolas, cheguei a temer o pior... mas, lá está, estás habituada a dormir sempre á mesma hora e dormes onde calha! Com clara preferência pela nossa caminha, claro está... hihihi! Pior é quando acordas de madrugada porque aí queres mesmo é colinho e a presença dos paizolas para voltar a adormecer... mas não pode ser, querida. Dormimos todos melhor se cada um estiver de facto na sua caminha, né?
Bem, hoje é Dia do Paizola...!!!
A mãezola aproveita para lhe desejar um feliz dia e espera que ele goste da lembrancinha que temos para lhe dar!
De resto, ando mais tranquila. Ontem fui ao SAMS por causa da amigdalite e já estou a tomar uns comprimidos que me estão a por melhor... pior do que a garganta eram mesmo as dores musculares que tinha na zona do pescoço e ombros. Mas hoje estou consideravelmente melhor. Também estou mais calma e isso ajuda... Tenho recebido muitos conselhos e opiniões tranquilizadoras e, como vais fazer as análises no sábado e sei que ficam prontas numa semana, a ansiedade está a atenuar-se um bocadinho.
Os maravilhosos dias de sol (que já sei que até vão ser de pouca dura, snif...!) também ajudam muito! Oh Verão ... que saudades!

Aproxima-se a toda a velocidade...



...um priminho emprestado novo para se juntar á trupe de bébés dos amigos dos paizolas...
A TIA ANETTE SILVETTE E O TIO GALA VÃO SER PAPÁS!!!
(Oh meu deus, como estou entusiasmada com mais um bébécas a caminho... e... acho que desta vez vem uma menina para te fazer companhia!!! Eheheh!!! São cá coisas minhas...)

O post que faltava... até um dia destes!


Os dias de sol parecem ter vindo para ficar! Precisava deles para pôr as ideias em ordem... Não sei se o facto de teres estado doentinha também não terão influenciado a minha clareza de espírito nesta história interminável do glúten... mas, é como te digo, só quem estiver no meu lugar entende completamente. O que a alguns olhares pode parecer insistência minha, ao meu é pura preocupação fundamentada.
E como tal, e porque sei que este blog pode ser econtrado em pesquisas por quem procurar informação sobre intolerância ao gluten/doença celíaca, acho que está na altura de deixar aqui aquilo que sei, já, ao certo, sobre este assunto:
  • A intolerância ao glúten, ou doença celíaca (a literatura tende a distinguir a doença celíaca por considerar que esta costuma apresentar um quadro mais óbvio de sintomas) é uma doença auto-imune. Neste sentido, a presença de alguma das proteínas que compõem o glúten desencadeia um processo de criação de anticorpos contra as mesmas, sendo que a presença destes no sistema imunitário acaba por destruir as vilosidades dos intestinos, responsáveis pela absorção dos nutrientes e açucares;
  • O quadro sintomático mais frequentemente descrito inclui diarreias, vómitos, cansaço (resultante da anemia provocada pela incapacidade com que o intestino fica de absorver o ferro), alopécia (queda de cabelo), barriga distendida, gases, perca de peso (ou no caso de crianças não progressão do mesmo e atrasos de crescimento (estatura/peso);
  • Muitos estudos recentes indicam que este quadro não se verifica na totalidade dos casos, sendo frequentes descrições de obstipação, por exemplo. A capacidade que cada organismo tem de combater o agente "agressor" é determinante na verificação de sintomas mais ou menos severos. Muitas pessoas vivem muitos anos sem ter mais do que um cansaço inexplicável, queda de cabelo (cabelo muito frágil) , palidez, dificuldades digestivas;
  • A esta doença surgem, frequentemente, associadas outras doenças (porque é no intestino que reside parte do nosso sistema imunitário e a sua debilitação deixa o doente celíaco vulnerável a outras doenças), nomeadamente: problemas renais, hiper/hipotiroidismo, diabetes, asma e outras do foro respiratório, intolerâncias alimentares diversas, problemas hepáticos, sendo mais vulgar em adultos não diagnosticados e tratados apenas dessas doenças por se desconhecer o que as origina;
  • Estudos e muitos testemunhos comprovam que a introdução de uma dieta isenta de glúten melhora em 100% o estado geral de saúde dos doentes celíacos: todos os sintomas melhoram e/ou desaparecem e há alguma unanimidade em considerar que só ao fim de 1 ano de dieta se verifica completa aquela que é a "prova de ouro" no diagnóstico da doença celíaca - só ela a confirma sem margem para dúvidas!
  • O diagnóstico não é fácil, sobretudo, em idades muito precoces, em que o tempo de exposição á doença é, muitas vezes, insuficiente para provocar o quadro completo de sintomas e em que a alimentação ainda se processa muito á base de alimentos lácteos, frutas, verduras e vegetais;
  • Esse diagnóstico deve começar por análises ao sangue para encontrar anticorpos anti-transglutaminase anti-gliadina e anti-endomísio (as proteínas que compõem o gluten) e logo seguida de endoscopia alta (do duodeno) com recurso a biopsia do tecido intestinal que confirmará a lesão da mucosa;
  • Nem sempre existe presença de anticorpos nas análises sanguíneas e muitas biópsias revelam-se inconclusivas; o diagnóstico deve ser feito com recurso ás duas formas de rastreio, sendo que se devem avaliar como complementares: apenas se ambas resultarem negativas se pode excluir doença celíaca;
  • Não se deve iniciar a dieta sem confirmação da doença, sob pena de enviesar um possível diagnóstico; para que este possa ser fidedigno é preciso que a doença esteja activa, que haja lesão confirmada da mucosa e a reeintrodução do glúten, depois de uma dieta isenta pode: agravar a natureza e a gravidade dos sintomas, pode tornar impossível prever quando regressam os mesmos, obrigando a sucessivas biópsias e analises ao sangue até que reapareçam dados conclusivos;
  • O doente celíaco não é, de facto, uma pessoa doente se tiver o cuidado de excluir da sua alimentação tudo o que contenha gluten; faz uma vida absolutamente normal, não tem nenhum tipo de handycap, é saudável em todos os aspectos da sua vida!

Agora sei perfeitamente o que fazer: o paizola sugeriu que não nos precipitassemos a retirar o gluten sem falar com o Dr. Velho. Já estão pedidas as credenciais para fazer as análises que gostavamos de já levar para a consulta com ele. Depois, vou munida de tudo o que sei sobre isto e vou discutir o assunto com ele, afinal de contas foi ele que mandou iniciar a dieta!

Estás melhor da amigdalite e da otite e hoje já dormiste na tua cama... tudo caminha para a normalidade, novamente.

One Step at a Time!

Ainda mais... do mesmo



A tia Ana deixou aqui um comment que me pôs a reflectir.
É normal que se pense que eu é que li demais sobre este assunto, que eu é que me acomodei a este diagnóstico por ser mais fácil de aceitar que um «se calhar é mesmo dela», que afinal o Dr. Velho tem razão...
Eu propria saí da última consulta a pensar desta forma. Mas, de facto, não se passou nada assim.
Depois de sairem os resultados das análises eu mostrei-as silenciosa á medica assistente do Dr. Velho e depois ao próprio Dr. Velho. Admito que antes disso andei a tentar encontrar coisas na net sobre o assunto mas fiquei na mesma: não percebia e nem percebo, hoje, nada de anticorpos. Foram eles (1º a médica, depois o Dr. Velho) que disseram que podia ser alguma coisa. Foram eles que pediram que retirasse o gluten da tua alimentação.
Se depois disso, comecei a querer saber como funciona a doença, quais os sintomas, como se diagnostica, mais não fiz do que procurar saber aquilo que, inclusivé, o Dr. Velho me deveria ter explicado logo detalhadamente.
Não sou a única a perceber que estás, progressivamente, a ganhar peso, que recuperáste bochechinhas, que ganháste de novo umas corzinhas, até tens mais cabelo e juro que não é imaginação minha: a tua barriga está mais pequena (mesmo que nunca tenha sido extraordinariamente grande, como é obvio). Tens em tudo um aspecto mais saudável do que tinhas aos 15 meses quando só estavas a ganhar 15gr por mês.
Não é culpa minha (e quero deixar bem claro, Pipoca, que sei que ninguém me atribui culpa nenhuma!), nem fruto da minha imaginação que tenhas começado uma dieta para despiste de Doença Celíaca. Se a ideia não fosse considerar essa hipótese ninguém teria sugerido tal coisa e o Dr. Velho não me faria vontade nenhuma.
Não sei se deveria ser a pessoa que sou mas... sou assim.
Hoje, uma amiga disse-me (e pode parecer uma frase romântica e patetica, até pirosa...) A intuição de uma mãe vale por 10 anos de exercício de medicina!
Se queres saber? Vou fazer tudo de acordo com a opinião dos médicos. Na minha consciência não me pode pesar desinteresse ou falta de espírito crítico. Mas se reintroduzirmos o glúten, podes estar certa que o meu coração continuará nas mãos, que não desistirei de vigiar este assunto, que de maneira alguma fecharei esta porta, independentemente de quantas janelas for capaz de abrir...
Sei o que li; perdi horas a ler sites em inglês e ás voltas com o tradutor do google para ler coisas em francês; sei que nos outros países a investigação desta doença e o diagnóstico estão muito mais evoluídos; sei que no estrangeiro os médicos questionam os quadros típicos relacionados com a Doença Celíaca e que ela é cada vez menos vista como uma doença rara, com sintomatologia-tipo; sei que é uma doença auto-imune e, como tal, apresenta sintomas que se confundem com outras doenças (como as da tiroide, as doenças renais, a diabetes) e que muitas vezes não se diagnostica a tempo porque se perde tempo a diagnosticar o que são apenas sintomas: com a introdução da dieta, essas doenças melhoram ou até desaparecem.
Sei o que li e não o inventei. O excesso de informação só é mau por uma razão: porque me deixa aqui com a sensação de braços e pés atados, na medida em que não tenho um diploma pendurado na parede.
A minha maneira de ser, de longe só me prejudica a mim, porque apesar de tudo, sou incapaz de contrariar um médico, de não fazer o que me pede, e isso é que me irrita. Porque deveria conseguir ser estupidamente arrongante para dizer: desculpe doutor, mas para mim é isto. Não quero fazer outra coisa que não caminhar no sentido de excluir esta doença completamente. O que fazemos então?
Fui educada a valorizar o conhecimento dos médicos e a respeitar as suas opiniões e conselhos: daí não abrir a boca nas consultas. Bloqueio. Não o sei dizer, sequer. Mas... cresci a acreditar que o conhecimento está acessível a qualquer um e que uma pessoa deve ser crítica em relação a tudo na vida. Inconciliáveis perspectivas neste caso, não achas filhota?

A consulta



Venho aqui escrever porque preciso de conversar comigo mesma sobre a consulta de ontem. Mas, na verdade, tinha pensado não fazer hoje nenhum post sobre isso... só mudei de ideias porque talvez escrevendo possa colocar em ordem as ideias.
Bem, o Dr. Paulo Ramalho é um médico simpático, da mesma faixa etária que o Dr. Velho, empático e que explicou o seu ponto de vista muito bem.
Basicamente: desvalorizou o valor que aparece nas análises para a Gliadina e explicou que dos 3 parametros (endomisio, gliadina e transglutaminase) este é o menos específico para a determinação de sensibilidade ao gluten e que, por ser um valor relativamente baixo pode ter sido inclusive um erro de laboratorio!
Explicou que o aumento de peso pode ser uma simples coincidência e que para ser significativo teria de ter sido um aumento muito maior... Disse que poderia manter a dieta sem gluten, porque objectivamente o gluten não faz falta para nada mas, também percebi que poderia retirar a dieta...
Passou análises para despiste de problemas endocrinologicos.
Tenho medo de reintroduzir o gluten. Continuo na minha, confesso. Mas acho que é o que iremos fazer. Se o teu peso estagnar novamente terei motivo para pedir a dita biopsia. Sem ela não adianta andar nisto de especulações sobre o gluten. É um facto.
Entretanto, é sempre possível descobrirmos outra coisa com as análises. E é sempre possível que continues a ganhar peso, mesmo com o gluten como sei que o médico acredita que acontecerá.
Para agravar o meu estado de espírito, estás cheia de tosse, dormimos mal, deves ter dores de garganta, tens febre e acho que estás a respirar mal. Daqui a pouco vou ter contigo, acho que vamos contigo ao SAMS.

Comprar Gluten-Free



Tenho de aproveitar para agradecer á Claudia, uma mamã de um menino chamado Lucas que tem intolerância ao gluten. Já era habitual conversar na internet com algumas mamãs na nossa situação, mas esta (que conheci mais recentemente) tem sido espectacular e foi através dela que cheguei ao contacto do especialista que te vai observar amanhã.
Bem, o propósito do post de hoje é DAR VIVAS a um supermercado (desculpem a publicidade, talvez um nadinha excessiva mas plenamente justificada), chamado PINGO DOCE!!! É isso mesmo, passo a explicar:
Tive acesso (através da Claudia) a uma lista fornecida pelo próprio supermercado, de PRODUTOS SEM GLÚTEN marca própria. E se não estivesse, neste preciso momento, no meu local de trabalho, garanto que até tinha batido palmas, tal qual um bébé a quem se permite ver o desenho animado preferido!!! Eheheh!
Tantas coisas que eu julgava proibidas... Gelatina, doce, gomas, rebuçados, natas, gelados, batata frita de pacote, pudins, mayonaise, chocolate (tudo bem, para já , nada destas coisas faz assim diferença ou é sequer recomedável, e viver sem elas é a opção mais saudável, é certo... Mas... saber que podes ter direito a uma extravagância de vez em quando é mesmo bom!).
A lista não se fica por aqui, claro, e existem outras coisas (como os chouriços de carne, alguns iogurtes, etc.) que pelo menos da marca Pingo Doce, sei que posso comprar e usar sem dúvidas. Até da Nestlé e da Danone também já tenho uma boa lista de produtos confiáveis. O que é bom!
De resto, hoje fazes 19 meses! E... a roupa 9 a 12 meses está a deixar de te servir e já estamos no tamanho 12-18 meses!!! Sapatos, tivémos de comprar de urgência este sabado porque já tudo estava demasiado apertado...eheheh! Estás a crescer mais nestes últimos tempos e nem imaginas como isso me deixa feliz! (Bem, nem pesámos, é certo, e nem quero imaginar a minha reacção se a balança do Dr. Velho não acusar esse aumento de peso... Sendo certo que amanhã vamos pesar numa balança diferente e não espero conhecer um valor fidedigno...)
A acrescentar que, esta noite, acordáste por volta das 2 da manhã rouca e com tosse, até gemias de olhitos fechados, meu pobre anjinho... só espero que seja passageiro.

Última Hora...



A consulta com o gastroenterologista foi remarcada... para dia 10!

Vou ali e Já volto...!



Pela terceira vez, e segunda consecutiva, adormeceste sozinha...
(Dá-me vontade de rir...)
Sossego-te um bocadinho no meu colo. Quando já estás no ponto (hihihi!) deito-te na cama. Tu resmungas. Eu digo: a mamã já vem, vai ali á casa de banho e já volta...
E... não volto!
Tudo começou na sexta-feira passada. Estive 3 horas para te adormecer. Já aflitinha para ir ao WC acabei por te deixar na cama sob protestos veementes da tua parte: Não chora, a mamã 'tá aflitinha para fazer xixi! Vai aqui ao lado á casa de banho e vem já! Paráste de chorar. Saí a voar do teu quarto. Fiz o que tinha a fazer. Um silêncio sepulcral. Nada. Nem mais um protesto. Deitei-me e dormi. Até ao dia seguinte. Nem acreditava que tivesse sido assim tão fácil!
Domingo não foi preciso. Adormeceste ferrada no meu colo, 3 minutos depois. Segunda-feira, como não acreditava, voltei a experimentar: resultou. Ontem (e ainda não acreditando, eheheh!) tentei de novo: resultou novamente!
Na sexta-feira (o tio Bruno esteve lá a jantar) já tinha comentado que achava que estava na altura de perceberes que não é para dormires porque EU quero que tu durmas mas... porque TU queres dormir! O hábito de adormecer sempre á mesma hora, depois dos mesmos rituais, está (diria eu) plenamente instituído. O sono está lá, á hora de sempre, e tu admites que o tens. Agora só falta assumir que QUERES adormecer! E acho que estamos no bom caminho para isso... a mensagem que me passa este teu actual comportamento é do género Vai lá mamã á tua vida que eu vou ficar por aqui a descansar!
Mantendo-se este ritual, surge certo que está na hora de te mudar para uma cama maior. Assim é deitar nela, a mãezola e o paizola contam-te uma história, se preciso ficam contigo um bocadinho mais até o sono estar confortavelmente instalado e... lá fica a Pipoca a dormir descansada!
Vamos ver... Olha, já agora, a mamã vai ali e já volta... ! Eheheh!!!
(P.S.: Tenho me lembrado tanto da tia Simone a propósito disto...Ehehe!)

É preciso...


... andar a coser as ideias para tomar uma atitude que me possibilite descansar e sentir que não estou a deixar a andar aquilo que me inquieta.
Daí que estes últimos posts sobre a tua saúde foram as linhas com que amadureci a decisão:
... dia 12 deste mês temos consulta com o Dr. Paulo Ramalho, especialista em Gastroenterologia Pediátrica e em Doença Celíaca, na Clínica Gerações.
Não vamos esperar pela consulta com o Dr. Velho porque a espera não faz sentido, se o objectivo seria sempre encaminhar para a gastro.
Ponto final parágrafo até lá.

Xuac!

video

Mais um video... Ehehe!

Hoje... um ursinho diferente!


Não temos este e... confesso que gostava de ter um igual para mim (ou para ti, não é a mesma coisa?). Descobri-o num daqueles sites estrangeiros de compra de gifts (julgo que americano) e, sinceramente, achei um disparate encomendá-lo, como tal... trouxe-o para aqui!
Bem... vou voltar ao mesmo. Não posso evitá-lo. Ontem uma mamã (com menino DC) que conheci recentemente no forum falou-me de um laboratório, em Dallas, que faz umas análises (tendo por base a recolha de cócózitos, hihihi!) para diagnóstico de Doença Celíaca. O que me deixou absolutamente fascinada é que dispensa a reintrodução do glúten na alimentação!
É que eu estou mesmo danada por ter de reintroduzi-lo e, não páro de pensar que dava tudo para que a biópsia pudesse ser feita sem ter de te voltar a dar alimentos com o dito... Só outra mãe na mesma situação que eu poderá compreender o que me inquieta e, como tal, foi mesmo uma delas que me sugeriu não só este teste como o nome de um especialista em DC no Hospital de Santa Maria, que muito agradeço e que vou considerar para um futuro próximo.
Fui consultar o site desse laboratório (http://www.enterolab.com/) e tudo me pareceu muito simples e prático e com bastante fundamentação científica. Mas claro, devo confessar que deve ser mesmo esta situação particular em que me encontro, que me leva a ponderar esta possibilidade.Na realidade, nem me reconheço em mim mesma: tenho sempre uma tendência (exagerada talvez) para desvalorizar o que de ciência se faz em terras norte-americanas. É um preconceito meu, que não sei de onde vem porque, curiosamente, é de senso-comum que este é, tradicionalmente, um país de grandes avanços tecnologicos e científicos. Eu, tenho sempre tendência a pensar neles como uma cambada de charlatães pretensiosos, aproveitadores, gananciosos...
Mas... o que verdadeiramente me preocupa é isto... : Ok, o diagnóstico até é fiável mas que correspondência terá com as práticas médicas no nosso país? E... não tendo (porque se calhar nenhum médico português aceitaria um diagnóstico com base apenas nestes testes) que diferença isso faria, objectivamente, para o facto concreto da tua doença? És celíaca porque um médico português assim o diagnostica ou... és celíaca porque és?
Eu acho que conheço as respostas... ainda assim, as perguntas não deixam de ser pertinentes, não achas?
Oh, meu deus, estamos a 2 de Março, a muitos dias da consulta com o Dr. Velho... Não é que espere da conversa com ele alguma espécie de luz para este e outros dilemas relacionados com isto. Só quero pesar-te novamente na única balança em que confio (a dele!). Daqui, podes ter a certeza que (no caso de uma nova pesagem com bom ganho ponderal!) vamos para consulta de gastro, vamos procurar segundas opiniões, vou correr Seca e Meca e Vales de Santarém até encerrar este assunto de vez!
Devo-te isso, devo-me isso a mim própria. E juro que, voltas a mais ou a menos, o meu objectivo passou a ser um só: tentar que não percas nem mais uma grama por causa desta treta do glúten !