Chuchinha....!



Ah! Não podia deixar de dedicar um post à tua preciosa chucha...
Para início de conversa, convém esclarecer que a chucha foi um hábito que eu e o teu paizola decidimos introduzir na tua vida. Na altura, a decisão veio como solução para que deixásses de exigir a minha mama para te consolares e sossegares. Chuchar é um reflexo precioso nos recém-nascidos, aquele que lhes permite assegurar a sua alimentação. Dizem os entendidos, e eu acredito, que proporciona aos bébés uma enorme tranquilidade e segurança, apesar de por volta dos 6 meses, desaparecer como reflexo e poder manter-se como elemento securizante. Por isso, aos 2 meses ainda te segurávamos a dita na boca, durante todo o tempo que era preciso para te adormecer, por exemplo, porque eras muito sôfrega a chuchar e ela, não raro, dava grandes saltos olímpicos para fora da boca que te deixavam verdadeiramente zangada!!! O tio Bruno há-de lembrar-se, concerteza, das vezes que ele proprio te segurou a chucha para que eu e o teu paizola pudessemos jantar em paz e sossego! Hihihi!!!
Mas bem, ultrapassadas dificuldades, a chucha foi dos primeiros objectos que tentáste manipular logo que as mãos deixaram de ser o teu entretém favorito. A partir dessa altura a tua chucha começou a conhecer os amargos das consecutivas quedas e voos alucinantes em direcção ao chão e ás paredes... Hoje em dia, fica muitas vezes esquecida durante as brincadeiras e não te acho muito dependente dela. Mas, quando acordas acho um piadão: procuras a chucha e colocas na boca, tal e qual como se fossem óculos que precisasses para ver!!! Não adianta falar contigo: primeiro pões a chucha e depois olhas-nos com cara de quem diz «Sim, digam lá agora. O que é que estavam para aí a dizer?». Depois de comer, sim, precisas muito da tua chucha. E para dormir, claro. Nem vale a pena deitar-te no meu colo sem ela!
Falo-te da tua chucha, porque me lembrei de um episódio de ontem... (ás vezes acho que tens coisas de criança mais velha...) Estava eu muito divertida a espicaçar-te - tirava-te a chucha da boca, segurava-a presa pelo prendedor e pendurada e não deixava que a conseguisses agarrar, depois deixava e tu punhas na boca e eu tirava novamente e puxava pela ponta do prendedor e tu rias, rias, rias - ás tantas, começáste a ficar um bocadinho irritada e eu devolvi-te a chucha; tu colocáste-a na boca e, com um ar muito sério, seguráste a ponta do prendedor (para que eu não puxasse mais por ali! Hihihi!) e escondeste debaixo do teu braço!!! Achámos delicioso!!!
(Faz-me lembrar quando vou ao teu lado no carro e apoio o braço na tua cadeirinha e tu, com o teu bracito, empurras o meu para fora! Tipo «Tira lá daí o bracinho que esta é a minha poltrona!!!»; fazes isso há tanto tempo e eu fico a pensar que tu tens atitudes que eu não imaginava possíveis em bébés tão pequenos! )
Bem, sobre a chucha estamos conversadas e volto a dizer: é para dar aos peixinhos do mar quando tiveres 2 aninhos (ou 3, vai depender...)!
De resto, quero dizer duas coisas:
1. É SEXTA-FEIRA!!!
2. Ontem já voltamos a dormir em nossa casa porque a Fernanda foi uma querida e limpou o pó e o lixo todo do quarto dos paizolas. Só para a semana vão arranjar o chão... vamos ver como vai ser... snif...!

1 comentário:

Bruno disse...

Confere :)

Tenho a certeza que com mais uns treinozitos tinhas ido aos Jogos Olímpicos dos bébés hehehe.

Beijocas para as meninas e aquele abraço para o pai.