As Plagiocefalias do Sistema Nacional de Saúde




Sinceramente, cada vez fico mais desiludida com isto de médicos e enfermeiros e tudo o que com eles se relaciona... Acho que sou mesmo uma paz d'alma do caraças porque de facto tenho dias que só de pensar dá-me vontade de bater neles todos...
Esta segunda-feira foi dia de consulta no Centro de Saúde. Nem vou comentar que estive duas horas á espera da consulta. Eu percebo que a Dra. Armanda vai estar ausente 1 mês e ela não tem culpa de ter tantos doentes... Mas eu e tu também não temos culpa dos problemas do Sistema Nacional de Saúde, da suposta falta de médicos, e de um monte de outras coisas correlacionadas que nem vou para aqui chamar porque não me apetece transformar este post num manifesto anti tudo e mais alguma coisa...! Mas fica prometido que um dia te vou explicar a importância de reflectirmos sobre as coisas que estão mal. Reflectir é um exercício de cidadania, um instrumento de liberdade, porque pensarmos sobre as coisas eleva-nos a um patamar de superioridade em relação aos problemas que nos afectam. Podemos ser afectados á mesma por eles mas ao menos percebemos que somos e porque somos... Hum... não percebes pois não? Deixa. É assunto para quando cresceres mais um bocadinho!

Bem, tudo isto para falar da consulta de segunda-feira..., Em relação ao teu peso também não vou comentar, é a conversa do costume. Desta vez nem falámos sobre isso com a Dra. Armanda, só com a enfermeira. A novidade da consulta tem a ver com o facto de ter descoberto que tens uma «assimetria» (palavras da médica). Bem, antes de mais devo dizer que a coisa foi-me de tal modo mal explicada que eu saí de lá convencida que era um problema de coluna... só a frase «queremos que ela fique com a cabeça redondinha» me baralhava o esquema, confesso. Em segundo lugar, e agora que sei do que se trata ao certo (não porque algum profissional de saúde me tivesse amavelmente explicado mas porque pesquisei na net e, sabe deus como, lá fui esbarrar na palavra plagiocefalia!) pergunto-me porque raio é que em tanta consulta que já tiveste desde que nasceste: 1. nunca ninguém me falou de prevenção; 2. só agora com quase seis meses é que alguém notou.

Eu já tinha reparado há muito tempo que a tua cabecita estava um bocadito abauladita. Sempre ouvi dizer que os bebés nascem com os ossos da cabeça assim todos um bocadinho desconjuntados e que com o tempo vão ao lugar. Por isso achei que era esse o caso e nunca dei importância. Também já tinha reparado que dormes sempre com a tua cabecita virada para o teu lado esquerdo. Nunca dei importância a isso.

EU SÓ QUERIA SABER PORQUE RAIO NUNCA NINGUÉM ME AVISOU QUE EU NÃO DEVIA DEIXAR QUE TE HABITUASSES A DORMIR ASSIM!!!

Pois, ao que parece a Plagiocefalia é um problema muito comum. É uma deformação dos ossos do cranio provocada pela pressão exercida sobre um dos lados quando os bebés passam muito tempo deitados sobre esse mesmo lado. É um problema estético, é certo. Mas pelas fotos que hoje vi na net (http://www.plagiocefalia.com/po/inici/inicio.html) é um problema desagradável. E o mais estúpido? Perfeitamente evitável se prevenido desde o primeiro mês, com gestos muito simples como ir alternando o lado para o qual se deita a cabecita do bébé, evitar muitas horas nas espreguiçadeiras e ovos e afins, enfim, medidas deste género que fazem todo o sentido, agora que se pensa nisto. Claro, se os ossitos do cranio estão todos moles e ainda a unirem-se, é obvio que vão deformar-se se não se tomar medidas como estas. Os bebés passam muito tempo deitados! Até me pesa um pouco a consciência nunca ter pensado nisto!!! É tão óbvio!

Claro que depois de comer não faltam colheres e aqui o principal da questão é mesmo o facto de nunca ter sido avisada por nenhum profissional de saúde para tomar medidas a tempo. Claro que agora não é fácil fazer-te mudar de posição quando estás a dormir ou olhar pelo teu lado direito quando respondes a apelos ou sons. Já não és um recém-nascido, que se deita e fica conforme o deixamos ou que olha na direcção para a qual for estimulado...

Há uma coisa que me deixa profundamente revoltada. Eu acho que os médicos em geral, neste país, se habituaram muito à falta de instrução e de literacia dos seus doentes. Tanto que agora nem se dão ao trabalho de falar sobre as coisas com eles. Quando digo falar, refiro-me a explicar-lhes detalhadamente as suas doenças e problemas, falar sobre prevenção e cuidados. É que é sempre a mesma postura: aquele ar sério, caneta em punho a rabiscar coisas propositadamente ilegíveis em papeis, explanação simples e básica de factos («Você sofre disto. Agora tome aquilo e faça isto a ver se melhora»). Eu cá, fico piursa com esta atitude!!! Eu sou muito curiosa em relação ás coisas, não me considero nenhuma ignorante e detesto que me tratem como tal. Graças a deus a tua tia é enfermeira e sempre aprendo qualquer coisa com ela. De vez em quando até gosto de usar de alguma terminologia ciêntífica quando falo com eles... só para que saibam que não sou nenhuma patêga!!! Não aspiro ao conhecimento dos médicos, reconheço-lhes todo o mérito e crédito possíveis, mas confesso que cada vez confio neles com mais dificuldade. Acho inadmissível que eu fique sempre a saber mais sobre as tuas maleitas nas viagens que faço pela net ou nos livros e revistas que compro do que nas consultas que tenho com médicos e enfermeiros. E é pena porque preferia mil vezes o contrário, pelo risco de obter informações erradas e porque, de facto, é uma forma mais impessoal de perceber as coisas que se relacionam com a tua saúde.

Será defeito meu achar que tu mereces mais dos profissionais de saúde que te acompanham?

Meu amor, hoje fico por aqui. Estou zangada, como já percebeste...

(comentário á pertinência da foto: o meu kit médico pessoal, infelizmente, contém só: a minha curiosidade e interesse, O Grande Livro do Bébé, o Google e o Manual Merck on line!)


2 comentários:

*CC* disse...

Olá,
aqui continuo a cuscar, e concordo plenamente com a tua revolta, aliás já conheço muito bem este tipo de atitudes por parte dos médicos chamados "públicos" e já tive experiências menos felizes, mas felizmente não graves com a minha afilhada, e foi por tudo isto que resolvi ainda no inicio da gravidez que faria um seguro de saúde para o Ruca, desde o nascimento que ele pode usufruir dele, assim consigo ter mais opções de escoilha, por exemplo, quando fui à 1ª consulta com ele, fomos a uma clínica perto de casa, mas não gostei da médica, por isso procurei e como tinha boas referências tanto da médica como do hospital optei por tentar na CUF Descobertas, e adorei, tanto a nível médico comoa nível de enfermagem e auxiliares, são uns amores e super queridas para o meu menino de Ouro. E outra coisa, as vacinas são dadas também lá nos dias de consulta, mesmo as que são fora do plano de vacinação elas têm lá e não preciso de ir à farmácia comprar, quando as vacinas não calham nos meses em que não há consulta já ficam préviamente marcadas, quanto às consultas pago 11,50€. Acho que vale a pena e fico mais descansada, quanto a urgências, felizmente ainda não tive que recorrer, mas acho que o valor são 22€ e não tens o stress de filas dos hospitais públicos.

Quanto à Plagiocefalia, parece-me que é uma questão de correcção e tudo se irá compôr, e não te sintas culpada, poruqe nenhuma mãe nasce ensinada...

Beijocas grandes e uma especial para a Pipoca
CC & Ruca

Eli Gee disse...

Oi!!!

Eu ontem estava zangada mas verdade seja dita, até não me posso queixar assim tanto... Passo a explicar. A Filipa é beneficiária do SAMS e só não é seguida lá porque para mim é um bocado complicado vir para lisboa sozinha com ela, porque se precisar de consulta de urgência é para lá que vamos. Depois, a nossa médica do Centro de Saude é uma pessoa conhecida da mãe do Hugo e que facilita muito a nível de credenciais e consultas. Depois, apesar de tudo a Filipa sempre foi seguida muito atentamente pelas consultas de enfermagem de lá por causa do baixo peso e nesse aspecto elas até têm sido uma ajuda preciosa. Além do mais temos peditra privado em Lisboa para as consultas previstas no boletim e é da nossa maior confiança, graças a deus. Mas lá está, ele, como o pessoal do centro de saude, só ajuda em relação ao obvio e so aborda as questões que eu levanto. Eu tenho outro conceito de pediatria e espero mais dos profissionais de saúde. Principalmente porque a minha irmã é enfermeira e eu acho que ela tem uma formação muito diferente da maioria e revejo-me muito nas coisas que ela defende. Mas também te digo, que a tua descrição desse seguro deixou-me a pensar...Ainda vou reflectir nisso, porque me parece muito bem! Acho que o Ruca tem umas condições optimas!!! obrigada pela dica e já sabes que podes cuscar sempre que quiseres!

Beijocas para todos, beijo especial para o Ruca, como sempre!